As notas do GP de Mônaco de F1

Um desfile com muitos momentos de sono e quase nenhuma animação. Embora o GP de Mônaco não se notabilize pelo divertimento, a edição de 2018 foi especialmente modorrenta

Gabriel Curty, de Indianápolis,
Pedro Henrique Marum, do Rio de Janeiro &
Vitor Fazio, de Porto Alegre

1º) Daniel Ricciardo - 10.0 - Fez por merecer uma rara nota 10 no Ranking GP. O australiano liderou absolutamente todas atividades em Mônaco (TL1, TL2, TL3, Q1, Q2, Q3 e corrida de ponta a ponta). Quando o carro apresentou falhas, Ricciardo segurou a onda e não deu qualquer chance a Vettel. Consequência de uma prova completamente livre de erros.

2º) Sebastian Vettel - 7.5 - Deixa Mônaco com a impressão de que poderia fazer mais. É verdade que a Ferrari não tinha o melhor carro no principado, mas Vettel não pareceu muito interessado em ameaçar ou pressionar Ricciardo, vulnerável pela perda de potência. A distância para Hamilton no Mundial caiu, mas poderia cair mais.

3º) Lewis Hamilton - 7.0 - Não foi brilhante, fazendo só o dever de casa. Controlar o consumo acentuado de pneus foi a chave para conseguir um pódio em uma das corridas mais difíceis para a Mercedes. No longo prazo, pensando em título, este poderá ser um resultado importante.

Kimi Räikkönen
Ferrari

4º) Kimi Räikkönen - 5.5 - Criou expectativas e não concretizou. A boa (e azarada) temporada de Räikkönen teve um solavanco em Mônaco, onde a atuação não teve qualquer destaque. Atacar Hamilton, sem pneus e com carro pior, era o mínimo que o finlandês poderia fazer.

5º) Valtteri Bottas - 5.5 - Não deu sequência ao bom momento. Bottas levou tempo de Hamilton do começo ao fim. E olha que o tetracampeão não estava tão bem assim. Pelo menos não cometeu erros graves.

6º) Esteban Ocon - 7.5 - Teve sua melhor atuação em 2018. Sobrou no pelotão intermediário e chegou a sonhar com uma aproximação a Bottas. Para Ocon, é uma reação importante após GPs com vitória pessoal de Pérez. O ponto negativo: abrir caminho para Hamilton sem muita cerimônia durante um ciclo de pits. Foi feio.

7º) Pierre Gasly - 7.5 - Fez o dever de casa. Em uma pista ideal para uma equipe com motor medíocre, aproveitou oportunidades e pontuou bem. Com motor Honda, Alonso não fazia muito mais do que Gasly fez no domingo. E isso é um ótimo indício.

8º) Nico Hülkenberg - 6.5 - Decepcionou brevemente por não ir ao Q3 no sábado, mas reagiu no domingo. A estratégia de largar com pneu mais duro caiu como uma luva e permitiu o pulo do gato na reta final, incluindo aí uma importante vitória pessoal sobre Sainz, que vinha em evolução em 2018.

9º) Max Verstappen - 5.0 - Cometeu um erro bobo e custoso no sábado. No domingo, evoluiu de acordo com as possibilidades. Verstappen fez ultrapassagens bonitas, principalmente nas primeiras voltas, e cumpriu o único objetivo possível: pontuar. Mas sempre vale lembrar: esse resultado só foi o teto por mais um erro do próprio holandês.

10º) Carlos Sainz Jr. - 6.0 - Parecia que ia encaixar mais um belo resultado, mas terminou com sensações mistas. O esforço do treino classificatório foi pelo ralo após a decisão da Renault de fazer pit-stop cedo, que cobrou o preço de perder muito terreno no fim. Mesmo assim, é inegável que o espanhol poderia fazer um trabalho melhor ao administrar o consumo dos pneus, como Hamilton fez.

Stoffel Vandoorne
McLaren

11º) Marcus Ericsson - 5.0 - Comeu pelas beiradas e quase arrancou um pontinho. Apesar de levar uns passões de Verstappen e Stroll nas primeiras voltas, o sueco cresceu ao longo da prova, o que pode ser visto como consequência da boa administração dos pneus. Fez um trabalho ok, em suma.

12º) Sergio Pérez - 5.5 - Parecia capaz de pontuar, aparecendo em nono, mas acabou vítima de um pit-stop desastroso. Preso atrás de carros mais lentos, não conseguiu reagir. Mas é verdade que, independente do pit-stop, o mexicano seria derrotado por Ocon.

13º) Kevin Magnussen - 4.0 - Não se encontrou em momento algum do fim de semana. O carro da Haas estava péssimo, mas Magnussen não colaborou, tendo uma atuação péssima na classificação. Na corrida, um pequeno ponto positivo: o dinamarquês ganhou terreno e voltou a superar o companheiro Grosjean.

14º) Stoffel Vandoorne - 4.5 - Foi uma decepção. Assim como a McLaren como um todo, Vandoorne esteve apagado do começo ao fim. Mesmo assim, parecia capaz de ao menos pontuar. A chance existia. Mas a McLaren apostou em uma estratégia ruim, com duas paradas, e complicou tudo.

15º) Romain Grosjean - 4.0 - Ao contrário do que se previa, não bateu. Na verdade, o francês até conseguiu um bom desempenho na classificação, indo ao Q2 com um dos piores carros do fim de semana. Não adiantou muito por causa da punição do GP da Espanha, com perda de três posições no grid. E aí veio o problema: Grosjean não fez nada para reagir no domingo.

16º) Sergey Sirotkin - 6.0 - Teve sua melhor atuação de 2018, o que diz muito sobre a ótima fase do piloto. Sirotkin dominou Stroll de forma surpreendente, mas foi vítima de uma trapalhada incrível da Williams. No grid, a equipe estava mexendo no carro após o limite de tempo permitido. A punição consequente colocou um ponto final no dia do russo.

17º) Lance Stroll - 2.5 - O pior piloto do fim de semana. Esteve mal nos treinos e na classificação, sempre perto da lanterna. Na corrida, sofreu dois furos de pneus e virou um obstáculo a ser superado por pilotos mais rápidos.

Acidente entre Leclerc e Hartley
Reprodução

NC - Brendon Hartley - 5.0 - Uma vítima. Hartley fazia uma corrida bastante digna, batendo na porta da zona de pontos, quando foi atingido pelo desgovernado Leclerc. A boa notícia do fim de semana é que o déficit para o companheiro Gasly parece ter diminuído.

NC - Charles Leclerc - 5.5 - Causou o maior acidente do fim de semana, mas não teve culpa. O monegasco perdeu os freios subitamente e encheu a traseira de Hartley. Antes disso, o estreante superava o companheiro Ericsson, mas não era capaz de fazer muito mais.

NC - Fernando Alonso - 6.0 - Estava próximo de conseguir um honesto oitavo lugar, mas foi traído pela confiabilidade. Enquanto o carro funcionava, o espanhol fazia uma corrida positiva, mesmo que sem brilho. A volta do espanhol ao principado não foi exatamente marcante.

GP de Mônaco - 3.5

A corrida foi exatamente aquilo que a gente sempre teme, mas torce para não acontecer: uma procissão com raras ultrapassagens e raros incidentes. Foi ruim para os próprios padrões de Mônaco e um novo balde de água fria para um campeonato que começou com provas surpreendentes. Sorte que o GP do Canadá chega em duas semanas.

Melhor GP: GP do Azerbaijão (9.5)

Pior GP: GP de Mônaco (3.5)

Média: 6.6

Média dos pilotos após o GP de Mônaco

1º) Sebastian Vettel - 7.8
2º) Lewis Hamilton - 7.4
3º) Fernando Alonso - 7.3
4º) Daniel Ricciardo - 6.9
5º) Valtteri Bottas - 6.8
6º) Kimi Räikkönen - 6.7
7º) Nico Hülkenberg - 6.4
8º) Carlos Sainz Jr. - 6.3
9º) Sergio Pérez - 6.2
10º) Stoffel Vandoorne - 5.9
10º) Charles Leclerc - 5.9
12º) Kevin Magunssen - 5.8
12º) Pierre Gasly - 5.8
14º) Esteban Ocon - 5.6
15º) Marcus Ericsson - 5.2
16º) Lance Stroll - 4.6
17º) Romain Grosjean - 4.2
17º) Max Verstappen - 4.2
19º) Brendon Hartley - 4.1
20º) Sergey Sirotkin - 3.7