Siga-nos

10+

Brasileiros estreantes na Fórmula 1

Pietro Fittipaldi será o primeiro brasileiro no grid em três anos. Como foram as últimas 10 estreias de pilotos do Brasil na Fórmula 1?

Pietro Fittipaldi vai estrear pela Haas (Foto: AFP)

Pietro Fittipaldi quebra um jejum e levará o Brasil ao grid da Fórmula 1 pela primeira vez após 57 corridas. Com Romain Grosjean impossibilitado de correr por conta de queimaduras nas mãos, por conta do forte acidente sofrido no GP do Bahrein, o americano-brasileiro, reserva da Haas, ganha a primeira chance.

Ele estreará no GP de Sakhir, que acontecerá no anel externo no Circuito Internacional do Bahrein. No 10+ desta semana, relembramos os últimos brasileiros que estrearam na Fórmula 1.

Felipe Nasr – 2015

Felipe Nasr com a Sauber em 2015 (Foto: Wikimedia)

Com título da Fórmula 3 Inglesa em 2011 e o terceiro lugar na GP2 em 2014, Felipe Nasr foi contratado pela Sauber para a temporada 2015, aos 22 anos de idade. A estreia foi uma das melhores da história da Fórmula 1, terminando em quinto lugar no GP da Austrália marcado por abandonos.

Foram 27 pontos em 2015 e 2 em 2016. O piloto acabou trocado pelo alemão Pascal Wehrlein em 2017 e jamais retornou ao grid.

Bruno Senna – 2010

Bruno Senna estreante pela Hispania (Foto: Wikimedia Commons)

Campeão da Fórmula 3 Australiana em 2006 e vice-campeão da GP2 em 2008, Bruno Senna assinou com a Campos Racing para competir na Fórmula 1 em 2010. A equipe virou Hispania antes da estreia. Com um carro sofrível, a estreia de Senna durou apenas 17 voltas no GP do Bahrein.

O piloto completou 2010 sem pontuar e viu uma vaga cair no colo na Renault em 2011. Na temporada seguinte, fez 31 pontos pela Williams, mas deixou a Fórmula 1 ao fim daquela temporada.

Lucas di Grassi – 2010

Lucas di Grassi pela Virgin em 2010 (Foto: Wikimedia Commons)

Lucas di Grassi chegou na Fórmula 1 com 25 anos e um vice-campeonato da GP2 em 2007 na bagagem. O piloto paulistano assinou com a fraquíssima Virgin, uma das nanicas que chegou na F1 em 2010 e apostou no brasileiro. A estreia no Bahrein, junto de Senna, terminou em duas voltas.

Após uma temporada complicada com um carro nada confiável, Lucas não se manteve na categoria e passou a explorar outras oportunidades, posteriormente se tornando campeão da Fórmula E.

Nelsinho Piquet – 2008

Nelsinho Piquet em Silverstone pela Renault (Foto: Wikimedia Commons)

Vice-campeão da GP2 em 2006, Nelson Piquet Jr. teve a oportunidade de estrear pela Renault em 2008. No GP da Austrália, largou em 20º e esteve na parte de trás do pelotão a todo instante, abandonando na volta 30 da corrida.

Nelsinho teria um pódio no GP da Alemanha daquele ano, fechando a temporada com 19 pontos e o 12º lugar na tabela. O piloto foi demitido da Renault na metade de 2009 e trouxe à tona o caso do Singaporegate, quando bateu propositalmente para favorecer o companheiro de equipe Fernando Alonso.

Antônio Pizzonia – 2003

Antônio Pizzonia pela Jaguar (Foto: Wikimedia Commons)

O amazonense Antônio Pizzonia recebeu a primeira oportunidade na Fórmula 1 como contratado da Jaguar em 2003. A estreia foi na Austrália, com abandono após 53 voltas por conta de um problema na suspensão.

Pizzonia não durou muito no time verde, demitido no meio da temporada sem pontuar. O piloto assumiu vaga de reserva na Williams e fez corridas em 2004 e 2005. Apesar de alguns pontos, não impressionou e deixou a categoria.

Cristiano da Matta – 2003

Cristiano da Matta pela Toyota (Foto: Wikimedia Commons)

Campeão da CART, Cristiano da Matta tinha 29 anos quando assinou com o projeto ambicioso da Toyota em 2003. A estreia durou apenas sete voltas na Austrália, abandonando após rodar.

O mineiro teve o vínculo renovado para 2004 após matar o ano com 10 pontos e o 13º lugar na tabela, mas não conseguiu manter um bom desempenho, somou pontos apenas uma vez na temporada e foi cortado, retornando aos Estados Unidos.

Felipe Massa – 2002

Felipe Massa na Sauber (Foto: Reprodução)

Nome de mais sucesso da lista, Felipe Massa assinou com a Sauber e fez a estreia no GP da Austrália de 2002, aos 20 anos de idade. O piloto não conseguiu se esquivar do acidente na primeira curva, e amargou o abandono na estreia.

Porém, o brasileiro construiu uma carreira de mais de 300 corridas, 11 vitórias e o vice-campeonato mundial de 2008 pela Fórmula 1. Com longas passagens por Ferrari e Williams, deixou a categoria em 2017.

Enrique Bernoldi – 2001

Enrique Bernoldi na Arrows (Foto: Reprodução)

O paranaense Enrique Bernoldi assinou com a Arrows, que já estava em seus dias finais pela Fórmula 1, para a temporada 2001, aos 22 anos de idade. A estreia na Austrália não foi das melhores, com abandono na terceira volta após rodar.

A passagem do piloto pela categoria durou até 2002, coincidindo com o fechamento da equipe. Ele não somou pontos e deixou a categoria.

Luciano Burti – 2000

Piloto de testes da Jaguar, Luciano Burti ganhou uma inesperada chance de estrear no GP da Áustria de 2000, substituindo Eddie Irvine, que estava doente. O paulistano terminou no 11º lugar após largar do pit-lane.

Burti foi promovido a titular da Jaguar em 2001 no lugar do aposentado Johnny Herbert, mas a passagem durou apenas quatro corridas. Foi para a Prost em seguida, onde durou até o GP da Bélgica, quando sofreu um grave acidente, que encerrou sua carreira no Mundial.

Ricardo Zonta – 1999

Campeão da Fórmula 3000 Internacional em 1997, Ricardo Zonta assinou com a BAR para estrear na Fórmula 1 em 1999, perto de completar 23 anos de idade. Com um carro péssimo em termos de confiabilidade, conseguiu durar 48 voltas até problemas de câmbio.

Mesmo sem pontos em 1999, foi renovado para 2000, onde somou seus únicos tentos na Fórmula 1. Após deixar a equipe, teve uma pequena participação como substituto na Jordan em 2001 e substituiu Da Matta em 2004 na Toyota.

© 1995 - 2020 - GrandePremio.com.br - Todos os direitos Reservados.

Connect