Siga-nos

10+

Recordes e números estranhos da F1

O GRANDE PREMIUM destaca dez conquistas que são reais, mas parecem fabricadas

Prost e Senna (Foto: F1)

Ao longo de 70 anos de história, a Fórmula 1 já compilou feitos dos mais distintos. Há aqueles que todo mundo sabe na ponta da língua, como os recordes dos quais Lewis Hamilton se aproxima e que, atualmente, ainda são de Michael Schumacher: sete títulos e 91 vitórias. Mas há outros muito mais obscuros, curiosos ou até bizarros.

É pensando nisso que o GRANDE PREMIUM resolveu trazer alguns destes números esquisitos da história do Mundial. Acompanhe a lista.

Ernst Loof andou 2 m no GP da Alemanha de 1953 (Foto: Reprodução/Twitter)

Carreira mais curta da história

Muito se fala da curta trajetória de Marco Apicella na F1, menos de uma volta pela Jordan no Mundial de 1993, mas o italiano é somente o segundo colocado no ranking das carreiras mais curtas da F1. A menor dentre todas elas, contabilizando pilotos que largaram para uma etapa do Mundial, aconteceu 40 anos antes.

Foi em 1953. Ernst Loof foi um dos fundadores e projetistas da Veritas e, no GP da Alemanha daquele ano, realizado no temido Nordschleife, entrou com um carro de criação própria para matar a curiosidade. Classificou na 31ª colocação entre 35 inscritos e largou… mas andou somente 2m (sim, dois metros). A bomba de combustível estourou na largada e forçou o abandono. Loof jamais andou novamente na F1.

Jim Clark com o maior dos domínios no GP da Bélgica (Foto: Pinterest)

Maior vantagem de um vencedor

Uma década após o feito de Loof, o GP da Bélgica de 1963 renderia outra marca muito mais notável. Eram outros tempos em Spa-Francorchamps, e a pista tinha mais de 14 km, voltas longuíssimas, e velocidade média de 210 km/h. Para aumentar a dramaticidade, chovia. A corrida largou já com chuva, mas a intensidade foi crescendo durante as 32 voltas.

Jim Clark largou em oitavo, mas na metade da corrida dava uma aula tão grande sobre pilotagem na chuva que abria quase 5 min para o segundo colocado, Bruce McLaren, e dera uma volta em todos os outros. Clark ainda começou a ter de lidar com problemas no câmbio e resolveu abandonar a quinta marcha no circuito de alta velocidade. Mesmo assim, terminou a prova 4min54s à frente de McLaren. É até hoje a maior vantagem entre P1 e P2 já alcançada.

Duas vitórias e poucos pontos: a história de Jean-Pierre Jabouille (Foto: Pinterest)

O curioso caso de Jean-Pierre Jabouille

A carreira de Jean-Pierre Jabouille guarda relação esquisita com as pontuações. Foram 55 GPs (largando em 49 deles) entre as temporadas 1974 e 1981 – com ausência completa apenas em 1976, quando centrou na F2 e foi campeão. Durante esse período, Jabouille venceu duas corridas. E pontuou em três!

Sim, é isso! Além das duas corridas em que venceu, os GPs da França de 1979 e da Áustria de 1980, Jabouille marcou pontos apenas uma única outra vez: o GP dos Estados Unidos de 1978. Todas essas pontuações aconteceram nos anos em que defendeu a Renault, que tinha um carro rápido, mas com gravíssimos problemas de confiabilidade. Eventualmente, para 1981, acabou substituído por Alain Prost. A vitória de Jabouille em 1979 marcou a primeira de um carro com motor turbo na história da F1.

Otto Stuppacher, GP da Itália 1976 (Foto: Pinterest)

Pior classificação: Otto Stuppacher, GP da Itália de 1976

Houve momentos na história em que os treinos classificatórios registraram voltas muito ruins dos últimos colocados por conta de acidentes ou punições que cancelaram ou impediram voltas voadoras e contabilizaram apenas um giro de instalação ou de uma sessão livre. Mas não é disso que estamos falando aqui. Trata-se da pior volta lançada da história dos sábados da F1.

Tal conquista foi atingida no GP da Itália de 1976. Otto Stuppacher colocou um Tyrrell particular na pista para participar da temporada. Tentara antes, na Áustria, sua corrida de casa, mas foi barrado por falta de experiência. Na Itália, conseguiu entrar. Entretanto, enquanto o pole Jacques Laffite anotou 1min41s3 para a posição de honra, Stuppacher conseguiu um incrível 1min55s2 em sua volta lançada, andando o mais rápido possível. Mesmo assim, quase participou da prova, porque os tempos rápidos de James Hunt, Jochen Mass e John Watson foram cancelados por irregularidades no combustível, mas o herói austríaco tinha ido embora antes que o aviso chegasse. Para isso, foi rápido.

Hans Heyer, GP da Alemanha 1977 (Foto: Reddit/Schlegelmilch Photography)

Hans Heyer fez DNQ, DNF e DSQ no GP da Alemanha de 77

Aqui está um feito que dificilmente será tocado. Uma salva de palmas para Hans Heyer, que foi capaz de um dos combos mais impressionantes de todos os tempos. Só ele, ninguém mais, conseguiu a tríplice coroa não se classificar para o GP, abandonar o GP e ser desclassificado do GP. O mesmo GP!

Aconteceu na Alemanha, em etapa disputada em Hockenheim. Heyer tinha carreira extensa em outros tipos de carros e arrumou uma forma de disputar o GP caseiro no segundo bólido Penske da ATS. Sem intimidade com os monopostos, foi um dos seis pilotos a não conseguir classificar o carro no sábado. Mas após viajar de sua casa, em Mönchengladbach, até Baden-Württemberg, terra do autódromo, concluiu que largaria de qualquer jeito. Assim fez. Alinhou no grid sem os comissários perceberem e largou. Após dez voltas, teve de abandonar com problemas no câmbio. Aí, sim, os comissários notaram e logo desclassificaram o dono da largada fantasma.

Teo Fabi tem três poles e nenhuma volta liderada (Foto: Pinterest)

Teo Fabi foi pole 3x e nunca liderou uma volta

O italiano Teo Fabi participou de cinco temporadas do Mundial de F1 entre 1982 e 1987 – ficou fora em 1983. Durante este período, defendeu Toleman, Brabham e Benetton. Foi bom piloto e conseguiu coisas legais: dois pódios, por exemplo. E três poles. Apesar de largar na posição de honra um trio de vezes, jamais liderou uma volta sequer.

A primeira pole veio com a Toleman no GP da Alemanha de 1985 e de maneira arrasadora: mais de 1s1 para o segundo, Stefan Johansson, então pela Ferrari. Largou muito mal, porém, e ficou para trás. Mais tarde, abandonou com problema de embreagem. A vitória ficou com a Ferrari de Michele Alboreto. Em 1986, pela Benetton, conquistou duas poles seguidas: na Áustria e na Itália. Começando pela segunda, Fabi teve problemas no carro enquanto ia para o grid. Teve de largar do fim da fila e acabou abandonando mais tarde por conta de um furo de pneu. Mas na Áustria… Ah, a Áustria. Fabi perdeu a liderança para o companheiro Gerhard Berger na largada, mas ultrapassou na volta 17. Como então que não liderou uma volta? Bom, segundos depois, o motor estourou. Fabi não completou a volta e não liderou.

Murphy, seu sapeca.

Prost e Senna (Foto: F1)

Carrossel da rivalidade

É um pouco estranho, mas é verdade. Alain Prost e Ayrton Senna foram responsáveis por uma das maiores rivalidades entre pilotos em toda história. Antes e depois de viverem seus pegas, marcaram amanhecer e crepúsculo das carreiras um do outro.

Como? Simples. Prost venceu o GP do Brasil de 1984 que marcou a abertura daquela temporada e a estreia de Senna na F1. Nove anos depois, o inverso: Ayrton subiu ao degrau mais alto do pódio no GP da Austrália de 1993, última corrida da Alain no Mundial. Aliás, é bom que se diga, Prost também viveu esse carrossel com Alan Jones: o australiano venceu a corrida de estreia do francês, e o francês venceu na despedida do australiano.

Olivier Panis, GP de Mônaco 1996 (Foto: Reprodução/YouTube)

85,7% de abandono

Numa das corridas mais bizarras da história da Fórmula 1, 22 carros classificaram e apenas três chegaram ao fim. O GP de Mônaco de 1996 ficou na história quase como um ícone cult do que as corridas podem ser num domingo qualquer em que a epidemia de insanidade atinge seu auge.

Nas estreitas ruas do Principado, chovia e, na pista molhada, estava difícil ficar parado. Andrea Montemini nem largou, bateu no warm-up. 21 alinharam e, logo na primeira volta, cinco abandonaram: Michael Schumacher, Rubens Barrichello, Pedro Lamy, Giancarlo Fisichella e Jos Verstappen. Daí para frente, um festival. Ukyo Katayama, Ricardo Rosset, Pedro Paulo Diniz, Gerhard Berger, Martin Brundle, Damon Hill, Luca Badoer, Jean Alesi, Jacques Villeneuve, Eddie Irvine, Mika Häkkinen, Mika Salo e Heinz-Harald Frentzen, um por um, ficaram pelo caminho.

Um trio de bravos guerreiros recebeu a bandeirada: Olivier Panis conseguiu sua única vitória na F1 e a última da Ligier, David Coulthard pôs a McLaren em segundo e Johnny Herbert chegou em terceiro com a Sauber.

Schumacher e Villeneuve, 1997 (Foto: Reuters)

Rivais à distância

23 anos passaram, mas a afirmação de que, enquanto dominavam a temporada 1997, Jacques Villeneuve e Michael Schumacher jamais dividiram um pódio, continua soando como aquela mentira de quem diz ter nascido no dia 30 de fevereiro. Assim mesmo, é verdade.

Cada um deles foi a oito pódios, nunca na mesma prova. Num campeonato de 17 etapas, apenas o GP da Itália não contou com nenhum deles no top-3. Villeneuve participou da cerimônia no Brasil, Argentina, Espanha, Inglaterra, Hungria, Áustria, Luxemburgo e Europa; Schumacher foi na Austrália, San Marino, Mônaco, Canadá, França, Alemanha, Bélgica e Japão. Após muita polêmica, o título ficou com o canadense.

Narain Karthikeyan, GP da Europa 2011 (Foto: Pinterest/RV Racing Press)

Pior colocação da história

O GP da Alemanha de 1953 é a corrida com recorde de carros alinhando para a largada: 34. De lá para a frente, muitas provas contaram com grids de largada mais amplos que 24 competidores. Mas eram outros tempos onde os carros invariavelmente quebravam e diminuíam bastante a lista dos que recebiam a bandeira quadriculada. A realidade dos anos 2010 era diferente, porém.

É por isso que o recorde de pior posição de chegada na Fórmula 1 é jovem: de 2011. A prova foi o GP da Europa em Valência, e o detentor da marca é Narain Karthikeyan. Dos 24 pilotos que largaram para aquela corrida, 24 terminaram – e Sebastian Vettel venceu. Karthikeyan, na pobre HRT, viu a bandeira quadriculada na pior posição da história.

© 1995 - 2020 - GrandePremio.com.br - Todos os direitos Reservados.

Connect