Siga-nos

10+

900

Miguel Oliveira fez história no GP da Estíria ao vencer a corrida 900 da classe rainha do Mundial de Motovelocidade. Mas quem foram os vencedores das outras marcas centenárias?

Miguel Oliveira (Foto: Divulgação/MotoGP)

O GP da Estíria marcou um domingo histórico para a MotoGP, não só pela primeira vitória de Miguel Oliveira e a Tech3, mas por marcar um centenário da classe rainha: a corrida 900.

Na data da criação do campeonato, em 1949, a divisão principal estava limitada a motos de 500cc, que reinaram até 2002, quanto entrou em cena a MotoGP. Inicialmente, a capacidade saltou para 990cc para as máquinas de quatro tempos. Em 2007, vieram os criticados motores de 800cc, que, em 2012, foram substituídos pelos atuais 1.000cc.

Ao longo desses agora 900 GPs, foram 112 vencedores diferentes, com Valentino Rossi aparecendo no topo do ranking, com 89 vitórias. Ou seja, o italiano de Tavullia venceu quase 10% das corridas disputadas até aqui. Giacomo Agostini ― 68 ―, Marc Márquez ― 56 ―, Mick Doohan ― 54 ― e Jorge Lorenzo ― 47 ― completam o top-5 dos vencedores, acumulando 34,8% do total.

Mundial celebrou no fim de semana as 900 corridas da classe rainha (Foto: Divulgação/MotoGP)

Além disso, Rossi é também o piloto com mais largadas ― 347 ―, o que significa dizer que ele esteve em 38,5% das corridas da classe rainha até aqui.

Nesses mais de 70 anos, 270 pilotos passaram pelo top-3 da categoria, com Rossi, mais uma vez, aparecendo como recordista: 199 pódios, ou seja, 22% do total. Lorenzo tem o segundo posto nesta lista, com 114, à frente de Dani Pedrosa ― 112 ―, Marc Márquez e Mick Doohan, ambos com 95.

No 10+ desta terça-feira (25), o GRANDE PREMIUM lista quais foram os pilotos a vencer as provas histórias da classe rainha.

1

A bordo de uma Norton, Harold Daniell venceu a primeira corrida da história da classe rainha em 17 de junho de 1949. O britânico de Forest Hill completou o TT da Ilha de Man, que na época fazia parte do calendário do Mundial, em 3h02min18s600, à frente de John Lockett e Ernie Lions.

Daniell fez outras sete corridas nas 500cc, mas nunca mais repetiu a vitória, conquistando apenas outros dois pódios ― pelo terceiro lugar. Harold morreu em 1967, aos 57 anos.

100

O GP da Alemanha Oriental marcou a corrida de número 100 da classe rainha. Com uma MV Agusta, Mike Hailwood venceu a corrida de 19 de agosto de 1962, em Sachsenring, em 51min00s700, 1min37s300 à frente de Alan Shepherd. Bert Schneider completou o pódio.

Natural de Great Milton, no Reino Unido, Mike ‘the bike’ disputou um total de 66 GPs da classe rainha, venceu 37 vezes, acumulou 48 pódios e foi campeão em 62, 63, 64 e 65. Hailwood, então, migrou para a Fórmula 1, mas um acidente em 1974 colocou um ponto final na carreira em quatro rodas.

Em março de 1981, Hailwood morreu em um acidente aos 40 anos.

200

O lendário Giacomo Agostini foi quem venceu a corrida de número 200 das 500cc. Com uma moto da MV Agusta, o italiano de Bréscia completou em 1h03min33s300 o GP da Holanda de 1972, 1min57s600 a frente de Alberto Pagani. Bruno Kneubühler completou o pódio de Assen.

No total, Ago correu 122 GPs da classe rainha, venceu 68 vezes, conquistou 88 pódios e foi campeão em 66, 67, 68, 69, 70, 71, 72 e 75. Além dos títulos nas 500cc, Giacomo também foi sete vezes campeão da hoje extinta 350cc, levando o total de taças ao recorde de 15.

A história dos 900 GPs da classe rainha do Mundial de Motovelocidade

Mike Hailwood é um dos grandes nomes da história do Mundial (Foto: Reprodução)

300

Anderstorp foi o palco da 300ª corrida das 500cc. Em 16 de agosto de 1981, montado em uma Yamaha, Barry Sheene venceu o GP da Suécia em 55min24s040, 0s820 diante de Boet van Dulmen. Jack Midderlburg completou o pódio sueco.

Nascido em Londres em 11 de setembro de 1950, Sheene disputou 98 GPs, conseguiu 19 vitórias nas 500cc, 37 pódios e os títulos de 76 e 77. Em 2002, aos 51 anos, foi diagnosticado com câncer na garganta e no estômago, mas se recusou a fazer quimioterapia e optou por um tratamento holístico que envolvia uma dieta bastante restritiva elaborada por um curandeiro austríaco com o objetivo de ‘matar’ o câncer de fome. O ex-piloto morreu oito meses após o diagnóstico.

400

Eddie Lawson também entrou para a história por vencer uma corrida centenária. Com uma Honda, o norte-americano de Upland, na Califórnia, bateu Kevin Schwantz por 0s770 no GP da França de 1989, com Wayne Rainey completando o pódio em Assen.

Nas dez temporadas que disputou entre 1983 e 1992, Lawson conquistou 26 vitórias, 68 pódios e os títulos de 84, 86, 88 e 89. Após encerrar a carreira no motociclismo, Eddie voltou aos Estados Unidos, onde disputou algumas provas da Indy Lights.

500

Mick Doohan teve a honra de ser o vencedor da 500ª corrida das 500cc. O lendário piloto da Honda recebeu a bandeirada na frente no GP de Ímola de 1996 após 29min40s732, 0s104 melhor que Álex Crivillè. Tadayuki Okada completou o top-3 daquele 1 de setembro de 1996.

Nascido em Brisbane em 4 de junho de 1965, o australiano disputou 137 GPs, venceu 54 vezes, conseguiu 95 pódios e deixou a categoria como pentacampeão, com os títulos de 94, 95, 96, 97 e 98. Mick anunciou a aposentadoria após sofrer uma lesão na perna em 1999.

600

Sete Gibernau também deixou o nome registrado na história em um dos marcos centenários. Já na era da MotoGP, em 2003, o espanhol bateu Valentino Rossi por só 0s165 em 23 de maio para vencer o GP da França. O brasileiro Alex Barros fechou o pódio em Le Mans.

Espanhol de Barcelona, Sete disputou 159 GPs entre 1997 e 2009, venceu nove vezes e subiu no pódio em 30 ocasiões. O melhor resultado no Mundial foram os vice-campeonatos de 2003 e 2004. No ano passado, depois de dez anos aposentado, Gibernau voltou à ativa para a temporada inaugural da Copa do Mundo de MotoE. O piloto disputou quatro corridas e fechou o ano com o 11º posto na tabela.

700

O Japão foi o palco da corrida 700 da classe rainha. Disputada em 26 de abril de 2009, a prova de Motegi foi vencida por Jorge Lorenzo, que bateu o então companheiro de Yamaha Valentino Rossi por 1s304. Dani Pedrosa completou o pódio.

Naquele ano, o piloto da moto #99 estava na segunda temporada na classe rainha depois de ser bicampeão das 250cc. Esta, porém, não foi a única vez que o espanhol de Palma de Maiorca fez história.

800

De novo com a Yamaha, Lorenzo também trunfou na corrida 800 da MotoGP, desta vez em Aragão, em 2014. Naquele 28 de setembro, Jorge legou a melhor em uma corrida que começou com pista seca, mas a chegada da chuva fez os pilotos trocarem de moto em meados da disputa. O espanhol venceu com 10s295 de frente para Aleix Espargaró, com Cal Crutchlow fechando o top-3.

Miguel Oliveira é o primeiro português a vencer na MotoGP (Foto: KTM)

Lorenzo acumulou 203 GPs entre 2008 e 2019, com 47 vitórias, 114 pódios e três títulos: 2010, 2012 e 2015. Jorge passou nove temporadas com a Yamaha, dois anos com a Ducati, mas se aposentou ao fim de 2019 depois de um campeonato muito ruim no time oficial da Honda.

900

O GP 900 da MotoGP foi marcado por um acidente com Maverick Viñales que acabou por interromper a corrida e modificar o resultado esperado. Depois de dominar a primeira parte da prova, Joan Mir assistiu do quarto lugar enquanto Miguel Oliveira deu um bote duplo em Jack Miller e Pol Espargaró na última curva para vencer o GP da Estíria.

Além de ser a primeira vitória de Miguel, foi também a primeira de um piloto de Portugal e também de alguém que corre com pela Tech3.

© 1995 - 2020 - GrandePremio.com.br - Todos os direitos Reservados.

Connect