Siga-nos

10+

Grandes momentos dos ‘anos de ouro’ da Indy no Brasil

A década de 1990 foi marcante para o Brasil na Indy. Nunca tantos pilotos do país estiveram na categoria, que registrou altos números no Ibope. Até mesmo a chegada de Nigel Mansell ajudou

O automobilismo brasileiro teve a chance de comemorar títulos da Indy (e da CART, depois da cisão com a IRL de Tony George em 1995) no fim da década de 1980, com Emerson Fittipaldi, e no início dos anos 2000 com Gil de Ferran e Cristiano da Matta. Mas, sem sombra de dúvidas, o grande apogeu do país na principal categoria norte-americana nos monopostos foi durante a década de 1990.

A presença da Indy ao vivo na segunda emissora de maior audiência no país, o SBT, foi fundamental, com transmissões que fizeram história na TV brasileira. Foi neste período que a categoria alcançou seu pico do Ibope por aqui.

Mas a iniciativa de Silvio Santos de colocar a Indy para concorrer com a audiência da F1 foi motivada, dentre outros tantos fatores, pelo maior número de pilotos brasileiros no grid. Emerson Fittipaldi, claro, foi o precursor, mas depois vieram nomes como Raul Boesel e Maurício Gugelmin.

E pilotos de grande talento, mas sem perspectiva de um lugar competitivo na F1, trocaram a Europa pela América e ampliaram ainda mais a participação verde e a amarela na Indy: Christian Fittipaldi, Gil de Ferran, André Ribeiro, Roberto Moreno e Tony Kanaan brilharam naqueles áureos tempos. Com vários pilotos e a exposição maior da categoria no Brasil, a Indy atraiu também vários patrocinadores oriundos do país.

Em época de quarentena e sem a perspectiva do retorno das corridas, vivemos uma época de muita nostalgia e de lembranças dos bons tempos, com várias reprises na TV. Assim, o GRANDE PREMIUM entra na onda, viaja no tempo e lista, em ordem cronológica, dez momentos (dentre tantos) marcantes para o Brasil na Indy nos anos 1990. Fase que foi influenciada, de certa forma, por um movimento surpreendente de um certo leão…

Nigel Mansell foi campeão na Indy um ano depois de alcançar o Olimpo na F1 (Nigel Mansell (Foto: Reprodução))

A ida de Mansell para a Indy
 

Nigel Mansell conquistou seu único título mundial de F1 em 1992. Era o auge do ‘Leão’ a bordo do ‘carro de outro planeta’ da Williams. Mas a escuderia de Grove optou por não renovar com o britânico para a temporada seguinte e contratou Alain Prost para seu lugar. O ‘5 vermelho’ surpreendeu ao cruzar o Atlântico e assinar com a Newman/Haas, uma das principais equipes do grid da Indy.

O impacto da ida de Mansell para a América por aqui foi significativo, já que a Indy ganhou ainda mais força no Brasil por ter nas pistas um piloto que rivalizava com Ayrton Senna nas pistas. O ‘Leão’ teve outro adversário brasileiro, Emerson Fittipaldi, na categoria norte-americana em um ano de estreia marcante para o britânico, coroado com o título.

Em 1994, Mansell seguiu na Indy, mas voltou para a F1 e fez algumas corridas pela Williams no carro #2 que era de Ayrton Senna. Foi neste ano que o inglês venceu pela última vez, na prova derradeira daquele campeonato, na Austrália.

Se a Indy poderia ser considerada antes uma categoria periférica e vista com certo desdém por aqui, a presença de Mansell ao lado de outros pesos pesados como Emerson, Paul Tracy, Michael Andretti e Al Unser Jr. ajudou a mudar o patamar do esporte, que ficou cada vez mais interessante para os pilotos brasileiros. Era uma alternativa plausível e muito competitiva ao sonho caro e distante da F1.

Emerson Fittipaldi venceu a Indy 500 pela segunda vez em 1993 (Emerson Fittipaldi 1993)

A segunda glória em Indianápolis
 

Se a primeira vitória de Emerson Fittipaldi na maior corrida do mundo teve como uma das marcas a voz vibrante de Luciano do Valle na transmissão da Band, o segundo triunfo do bicampeão mundial de F1 nas 500 Milhas de Indianápolis teve a narração do jovem e talentoso Téo José. Em 1993, a Indy era exibida pela saudosa TV Manchete.

A prova daquele ano teve grandes atrações para o Brasil. Nelson Piquet voltava ao ‘Brickyard’ depois de sofrer o acidente mais grave da carreira um ano atrás. Em que pese a força de Emerson a bordo do Penske Chevrolet e os holofotes voltados para Nigel Mansell, o grande protagonista da Indy 500 daquele ano foi Raul Boesel, que sofreu uma punição controversa que o impediu de vencer a corrida. O agora DJ terminou na quarta colocação com o Lola Ford da equipe Dick Simon.

Com dois campeões mundiais de F1 na pista e dois brasileiros com grande destaque nas 500 Milhas de Indianápolis, a Indy recebia atenção crescente do público e da cobertura nos jornais e também na mídia impressa por aqui. 

Na telinha do SBT
 

O interesse crescente que a Indy despertava no Brasil contrastava com a entressafra do país na F1 em 1994. Isso porque, após a morte trágica de Ayrton Senna, as chances de vitória na principal categoria do automobilismo foram reduzidas a zero. Enquanto isso, a Indy seguia registrando bons números, tinha Emerson Fittipaldi na principal equipe do grid e a perspectiva de chegada de outros nomes importantes, como Christian Fittipaldi, que se cansou da falta de oportunidades a bordo da mediana Footwork.

O SBT, então, apostou na Indy como forma de ganhar bons pontos na briga pela audiência contra a Globo, e investiu pesado na contratação de jornalistas, profissionais da área técnica e de uma forte estrutura operacional a partir de 1995.

Com a benção de Silvio Santos, Téo José, Dede Gomez, Roberto Cabrini, Luiz Carlos Azenha e Antonio Pétrin foram elementos fundamentais para as transmissões ao vivo da emissora de Osasco naquele período. E não eram exibições protocolares, mas sim verdadeiras aulas sobre a Indy, pilotos e equipes que passavam a ganhar atenção maior do canal vice-líder de audiência no país.

O amplo espaço em uma grande emissora de TV e a consequente maior exposição atraiu vários pilotos brasileiros que não tinham perspectivas de manter o objetivo de fazer parte da F1 e passaram a correr atrás do sonho americano: a Indy.
 

(Material de divulgação das transmissões da Indy no SBT (Foto: Divulgação))

Boom de pilotos brasileiros
 

No mesmo ano em que o SBT passou a transmitir a Indy, a categoria ganhou a presença de vários pilotos brasileiros no grid. Emerson Fittipaldi, com a Penske, era a grande referência e também foi o pioneiro do país no grid. Raul Boesel, que havia se transferido da Dick Simon para a Rahal/Hogan, partia para mais uma temporada.

Maurício Gugelmin também estava em nova casa: a PacWest, depois de ter feito o campeonato de 1994 com a Ganassi. Marco Greco, que fazia somente corridas esporádicas, também era parte do campeonato pela decadente equipe Galles.

Mas, a partir de 1995, a Indy passou a contar com jovens e promissores pilotos brasileiros. Christian Fittipaldi deixou a F1 para ser piloto da Walker, equipe de média para grande; Gil de Ferran também cruzou o Atlântico para fechar com a Hall; e André Ribeiro, vice-campeão da Indy Lights em 1994, subiu com a Tasman, liderada por Steve Horne.

Foi uma temporada de consolidação da Indy no Brasil, mas também de alguns altos e baixos. Emerson Fittipaldi, por exemplo, venceu em Nazareth, mas não conseguiu classificação para as 500 Milhas de Indianápolis — assim como Al Unser Jr., protagonizando o maior fracasso da história recente da Penske.

André Ribeiro ganhou as 200 Milhas de New Hampshire e Gil de Ferran, depois de ver o triunfo escapar após ser acertado por Scott Pruett em Cleveland, finalmente alcançou sua primeira vitória na Indy, na última prova da temporada, em Laguna Seca.

1995 terminou indicando que o ano seguinte seria muito mais promissor para o Brasil na Indy.

Christian Fittipaldi migrou da F1 para a Indy em 1995 (Christian Fittipaldi migrou da F1 para a Indy em 1995 (Foto: IndyCar))

A cerveja número 1
 

O avanço da audiência da Indy no Brasil e a confirmação da primeira corrida da categoria disputada em solo nacional alavancaram ainda mais a presença de empresas do país, que passaram a estampar maciçamente suas marcas em carros, macacões e capacetes dos pilotos tupiniquins.

O maior exemplo desta época é o da cervejaria Brahma, que virou a principal patrocinadora da equipe Green. A escuderia já havia separado sua operação da Forsythe no fim de 1994, um ano antes do título conquistado por Jacques Villeneuve.

No ano seguinte ao título de Villeneuve, que foi para a F1, a Forsythe trouxe o talentoso canadense Greg Moore e ficou com o patrocínio dos cigarros Players, enquanto a Green, impulsionada pelo patrocínio da brasileira Brahma, trouxe Raul Boesel.

A cervejaria aproveitou o slogan famoso ‘A cerveja número 1’ e estampou o #1 no carro de Boesel, tirando proveito também do direito que a Green tinha de usar o numeral por conta do título conquistado por Villeneuve.

Além da Brahma, empresas como a Kibon, Antenas Santa Rita e a escola de informática Data Control, dentre outras, apostaram na Indy como plataforma de marketing naquela época.

Raul Boesel a bordo do carro da Green, equipe patrocinada pela Brahma, em 1996 (Raul Boesel com o carro da Green em 1996 (Foto: Divulgação))

A ida de Christian para a Newman/Haas
 

Depois da Penske, a Newman/Haas era a grande equipe da Indy naquela época, com a Ganassi ascendendo no meio da década de 1990. A escuderia capitaneada por Paul Newman e Carl Haas tinha um histórico vitorioso marcado pelas passagens de Mario e Michael Andretti, Paul Tracy e Nigel Mansell.

Com a volta de Tracy para a Penske — que formou uma nova equipe, em parceria com a Hogan, para abrigar Emerson Fittipaldi —, a Newman/Haas contratou Christian Fittipaldi para o lugar do canadense em 1996.

Christian fez um campeonato dos mais decentes em 1996, marcou três pódios e terminou a temporada em quinto. O grande momento do brasileiro na Newman/Haas foi freado em 1997 depois do gravíssimo acidente sofrido em Surfers Paradise. O piloto acabou sendo substituído em boa parte do campeonato pelo ‘super sub’ Roberto Moreno.

Christian Fittipaldi defendeu a Newman/Haas na maior parte da sua trajetória na Indy/CART (Christian Fittipaldi a bordo do carro #11 da Newman/Haas (Foto: Forix))

Apoteose em Jacarepaguá
 

A Indy escolheu a capital do samba para realizar sua primeira corrida em solo brasileiro. O novo circuito oval do autódromo de Jacarepaguá, foi palco de um grande momento do automobilismo brasileiro. E com num verdadeiro desfile de carnaval, a Rio 400 empolgou e levou o público às lágrimas em 17 de março de 1996.

Diante de cerca de 35 mil pessoas, André Ribeiro foi o primeiro piloto brasileiro a vencer uma corrida de uma categoria de alto nível no Brasil depois da morte de Ayrton Senna.

O triunfo ganhou contornos dramáticos depois da bandeira amarela no fim da corrida após acidente com Robby Gordon. Mas o brasileiro segurou a pressão de Al Unser Jr. e triunfou em Jacarepaguá.

A Rio 400, que contou com ampla cobertura do SBT, atingiu 29 pontos de pico e 23 de média, tornando, de longe, a maior audiência da história da Indy no Brasil.
 

(André Ribeiro)

Domingo de dor, domingo de glória
 

O dia 28 de julho de 1996 ficou marcado como um dos mais contrastantes da história recente do automobilismo brasileiro. Na primeira volta das 500 Milhas de Michigan daquele ano, Emerson Fittipaldi contornava a curva 1 quando acabou sendo tocado pelo carro de Greg Moore. Com o impacto, o bicampeão mundial de F1 acertou com muita violência a traseira do seu bólido no muro. 

Por questão de milímetros, Emerson escapou de sofrer lesões severas na coluna cervical. O acidente decretou o fim da sua carreira de forma competitiva, encerrado um ciclo vitorioso também na Indy.

Horas depois, a tristeza pelo acidente de Emerson deu lugar a um pouco de alegria. André Ribeiro coroou uma performance soberba ao longo da corrida. Foi a terceira e última vitória do piloto, hoje empresário do ramo de automóveis, na Indy.

Triunfo em ano difícil
 

Se 1996 foi de grandes momentos para o Brasil na Indy, com vitórias de André Ribeiro (Rio e Michigan) e Gil de Ferran em Cleveland, 1997 foi de entressafra. Gil e Boesel ficaram muito perto de vencer em Portland, mas o desfecho eletrizante da prova foi favorável ao britânico Mark Blundell.

Maurício Gugelmin, o ‘Big Mo’, viveu uma grande temporada. Faltava só a tão sonhada vitória. Que foi conquistada com muita propriedade pelo catarinense de Joinville na etapa de Vancouver. Com o carro da PacWest patrocinado pela Hollywood, o brasileiro venceu pela primeira e única vez na Indy.

A escassez de vitórias do Brasil acabou por levar o SBT a tomar uma decisão drástica a respeito das transmissões da Indy. Ao invés de mantê-las ao vivo, Silvio Santos determinou que elas fossem exibidas em regime de VT. Tudo para priorizar Gugu Liberato, que travava guerra com Fausto Silva pela audiência nas tardes de domingo na TV aberta.

Era o começo do fim do ciclo do SBT como a emissora da Indy no país.
 

(Maurício Gugelmin)

A incrível vitória de Tony Kanaan
 

Se a temporada de 1998 foi de escassas alegrias, 1999 foi um ano vitorioso para o Brasil na Indy. Gil de Ferran, por exemplo, finalmente teve motivos para sorrir em Portland e triunfou com a Walker. Christian Fittipaldi, com a Newman/Haas, triunfou pela primeira vez na categoria no circuito de Elkhart Lake.

A temporada, que teve Juan Pablo Montoya como grande protagonista, ainda reservava um momento ímpar. Na mesma Michigan de tantas glórias para o Brasil, Tony Kanaan alcançou um triunfo inesperado e emocionante nos metros finais da corrida de 500 Milhas no superoval.

A primeira vitória de Tony na Indy (ou CART) foi marcada pela icônica e inesquecível narração de Téo José. Vale a pena apertar o play e apreciar sem moderação.

O triunfo do baiano, que corria pela Tasman-Forsythe naquela temporada, também foi o último do Brasil em uma década histórica na Indy/CART.

A vitória de Tony Kanaan encerrou grande década para o Brasil na Indy/CART (Tony Kanaan e Juan Pablo Montoya (Foto: LAT Photo))

© 1995 - 2020 - GrandePremio.com.br - Todos os direitos Reservados.

Connect