Siga-nos

10+

O marcante início da MotoGP

A temporada 2020 da MotoGP começou movimentada e cheia de fatos marcantes. Com isso, o GRANDE PREMIUM listou o que mais chamou atenção nas três primeiras etapas do ano

Foi apenas no segundo semestre, mas a MotoGP deu início a sua temporada 2020. Com apenas três corridas disputadas até o momento, a classe rainha do Mundial de Motovelocidade já começou daquele jeito: cheia de disputas e, por que não, quedas.

As duas primeiras corridas aconteceram em Jerez de la Frontera – GP da Espanha e GP da Andaluzia. O circuito começou a desenhar qual seria o tom do campeonato, além de ter sido palco de acontecimentos que mudariam o rumo do Mundial. Depois, a categoria desembarcou em Brno para mais um movimentado fim de semana com o GP da Tchéquia.

Ainda restam 11 corridas até o final da temporada, mas a MotoGP já mostrou imprevisibilidade e com diferentes personagens estrelando a briga pelo título. Aproveitando isso, o GRANDE PREMIUM listou dez importantes fatos que marcaram o início de 2020.

A queda de Rins

A temporada não começou da melhor maneira para Álex Rins. Durante a classificação para o GP da Espanha, primeira etapa do calendário, o espanhol sofreu uma forte queda na curva 11, uma das mais rápidas do circuito, nos instantes finais da tomada de tempos. Como consequência, teve lesão no ombro direito, sendo baixa na primeira corrida de 2020.

O estado de Rins após a queda (Foto: Reprodução)

A queda de Crutchlow

Cal Crutchlow foi outra vítima do circuito de Jerez de la Frontera. Durante o warm-up para a corrida inaugural do campeonato, o inglês levou um tombo na mesma curva que Rins, a 11. O piloto da LCR, que largaria da sexta posição na disputa, fraturou o punho esquerdo e também não disputou a corrida. Posteriormente, precisou passar por operação.

Crutchlow sofreu forte queda antes da prova (Foto: Reprodução)

A queda de Marc Márquez

A bruxa realmente estava solta em Jerez. Na prova, Marc Márquez estava em primeiro quando derrapou na curva 4  e caiu para o final do pelotão. Isso obrigou o espanhol a fazer prova de recuperação, mas em poucos giros já era o terceiro. Entretanto, o cenário mudou drasticamente.

O piloto da Honda sofreu uma forte queda na mesma curva de mais cedo, onde acabou com fratura no úmero do braço direito. Por conta do acidente, precisou passar por operação para tratar a lesão.

Ali, o campeonato começava a mudar (Foto: Reprodução)

A vitória de Quartararo

Mas o GP da Espanha ainda reservou espaço para uma grande vitória. Fabio Quartararo, que havia saído da pole-position, se esquivou de grandes problemas, cresceu o ritmo na reta final e aproveitou a baixa de seu principal adversário. Com isso, garantiu o primeiro triunfo na MotoGP. Junto, veio o fim de um jejum de quase 21 anos sem vitórias da França, que fez questão de exaltar o feito de ‘El Diablo’.

A desistência do hexa

Marc não queria se dar por vencido por ‘apenas’ uma placa de titânio parafusado no braço. Dois dias após passar pela sala de cirurgia, o espanhol estava de volta ao circuito espanhol para tentar disputar o GP da Andaluzia. Após passar por exames, recebeu ok dos médicos para voltar para a pista.

Mas as coisas não saíram como o esperado. O #93 andou no terceiro treino livre, mas na hora da classificação, deu apenas uma volta no Q1 e então, a decisão: não correria a prova. A partir de então, começou longo processo de recuperação. Mas alguns dias mais tarde teve de mais uma vez operar por nova lesão no braço – segundo a Honda, a placa quebrou quando o espanhol tentou abrir uma janela.

O pódio de Rossi

Entre altos e baixos, o circuito de Jerez também entregou motivos para comemorações. Após uma abertura de 2020 bastante difícil que fez Valentino Rossi questionar sua continuidade, o italiano conseguiu dar a volta por cima. No GP da Andaluzia, onde o termômetro chegava a 40ºC, o piloto da Yamaha terminou na terceira colocação, fechou trinca da Yamaha com Quartararo e Maverick Viñales e voltou ao pódio pela primeira vez desde o GP da Américas de 2019. Quartararo até comemorou dividir o top-3 com seu mentor.

A queda de Bagnaia

O festival de quedas da MotoGP ainda estava longe de acabar em 2020. Durante o primeiro treino livre do GP da Tchéquia, Francesco Bagnaia protagonizou um forte tombo, sendo levado imediatamente para o centro médico da pista. Lá, constatou-se uma fratura no joelho direito, obrigando o piloto da Pramac a passar por cirurgia. Com isso, ficou fora da disputa do fim de semana. Na Áustria, próxima rodada dupla do calendário, é Michelle Pirro quem assume o lugar do italiano.

A pole e pódio de Zarco

Johann Zarco mostrou ter se dado bem com a moto da Ducati. Após uma temporada 2019 complicada com as cores da KTM, que rendeu quebra de contrato antecipada, o francês assinou com a Avinta, equipe satélite da fábrica italiana para 2020. Na Tchéquia, mostrou que vem em ritmo competitivo.

Na classificação, o #5 conseguiu volta voadora para anotar 1min55s687 e conseguir sua primeira pole-position desde o GP da França de 2018. Na corrida, fez largada ruim e perdeu posições na primeira metade, mas aos poucos escalou o pelotão e cruzou a linha de chegada em terceiro, conseguindo o primeiro pódio desde o GP da Malásia do mesmo ano.

O pódio de Morbidelli

A estrela de Franco Morbidelli enfim brilhou. Em seu terceiro ano na MotoGP, após 41 corridas, o ítalo-brasileiro alcançou seu primeiro pódio. No GP da Tchéquia, mostrou bom ritmo desde os primeiros treinos, aparecendo como um dos favoritos a vitória. O piloto da Yamaha SRT chegou a liderar a prova, mas acabou ultrapassado no final. Então, recebeu a bandeira quadriculada na segunda colocação.  Com o resultado, saltou para terceiro na classificação.

A vitória de Binder

Três corridas. Esse foi o número de provas que Brad Binder disputou na classe rainha do Mundial de Motovelocidade até alcançar sua primeira vitória. O piloto, que fez boa largada e já se colocou dentro do top-5, cresceu nas voltas finais da prova em Brno, superou Morbidelli, assumiu a ponta e dali não saiu mais. Garantiu o degrau mais alto do pódio.

A conquista do competidor ainda rendeu boas marcas. Foi a primeira vitória da KTM na era da MotoGP – o melhor resultado da marca austríaca havia sido um terceiro lugar com Pol Espargaró em 2018. Além disso, é a primeira vez que um piloto sul-africano consegue a vitória na classe rainha.

© 1995 - 2020 - GrandePremio.com.br - Todos os direitos Reservados.

Connect