Siga-nos

10+

Super-heróis de carne e osso

Eles até parecem feitos de aço, mas quebram como qualquer ser humano. A recuperação e a resistência à dor é que não são de meros mortais

Super Homem (Foto: Divulgação/DC Comics)

Consegue imaginar o que você estaria fazendo apenas cinco dias após fraturar o braço? E que tal 22 dias após quebrar tíbia e fíbula? Ou meras 30 horas após operar a clavícula? No Mundial de Motovelocidade, a resposta é simples ― e surpreendente: correndo.

Ao longo da história, não foram raras as vezes em que pilotos impressionaram com a habilidade de, tal qual diz o samba de Paulo Vanzolini, levantar, sacudir a poeira e dar a volta por cima. De certa forma, isso é até rotineiro.

Dotados de uma impressionante capacidade de recuperação e também de superar a dor, pilotos vez após outra chamam a atenção por voltarem à ativa ainda se recuperando de lesões que deixariam simples mortais convalescendo por muito mais tempo.

Neste fim de semana, são três recém-quebrados liberados pelos médicos para tentar disputar o GP da Andaluzia: Álex Rins, Cal Crutchlow e Marc Márquez.

Marc Márquez quer correr menos de uma semana após fratura (Foto: Divulgação/MotoGP)

Primeiro a se machucar na temporada 2020 da MotoGP, o piloto da Suzuki fraturou o ombro direito em uma queda forte na classificação do GP da Espanha. Álex, porém, não precisou de cirurgia e se empenhou ao máximo para se recuperar para a segunda etapa da classe rainha.

Na manhã do último domingo, foi Cal Crutchlow quem precisou de atendimento médico. O britânico caiu no warm-up e foi barrado na corrida por conta de uma concussão, mas, horas depois, descobriu uma fratura no escafoide do punho esquerda, operada na última terça-feira em Barcelona.

No mesmo dia, Marc Márquez roubou as manchetes ao fraturar o úmero direito em uma forte queda já na reta final do GP da Espanha. Inicialmente, os médicos previam uma volta apenas no GP da Tchéquia, terceira etapa do campeonato, mas o #93, que foi operado na terça-feira, abreviou todos os prazos, foi aprovado no exame médico e vai subir na RC213V em Jerez de la Frontera já no sábado para tentar disputar a corrida deste fim de semana.

E esses são só os casos mais recentes. Ao longo da história do Mundial de Motovelocidade, muitas vezes os pilotos ignoraram os prognósticos médicos e surpreenderam com uma impressionante capacidade de recuperação. O GRANDE PREMIUM listou as vezes em que pilotos se comportaram como verdadeiros homens de aço, um registro que vai de 1975 a 2020.

Barry Sheene levou dois sustos importantes na carreira (Foto: Reprodução)

BARRY SHEENE: DAYTONA 1975

Barry Sheene precisou de apenas 49 dias para voltar de fraturas no fêmur, no braço e de outras lesões. Em 1975, durante uma passagem por Daytona, o britânico sofreu uma forte queda e acabou com o fêmur esquerdo e o braço direito quebrados, além de fraturas por compressão de várias vértebras e também de costelas.

Em uma recuperação que foi acompanhada pela imprensa, Sheene surpreendeu os médicos e retornou às pistas apenas 49 dias depois do acidente para uma corrida em Cadwell. A prova, porém, terminou em abandono.

BARRY SHEENE: SILVERSTONE 1982

Sheene, aliás, não teve de lidar com a dor uma única vez. Depois de conquistar dois títulos nas 500cc ― 1976 e 1977 ―, Barry voltou a trilhar o caminho da recuperação após um acidente em Silverstone em 1982.

Em um treino livre pré-corrida com motos de 125cc a 500cc rodando juntas, Sheene foi vítima da falta de alerta da fiscalização de pista e acabou sofrendo uma forte queda ao atingir uma moto de 250cc que estava caída no meio da pista.

No acidente, o joelho direito de Sheene foi seriamente quebrado, assim como o joelho esquerdo e o punho. O piloto passou por uma cirurgia de sete horas e por um longo processo de recuperação. Depois de mais de cinco meses fora de combate, o britânico voltou a correr em 1983, mas nunca mais subiu no topo do pódio.

Barry Sheene surpreendeu com retorno ao Mundial (Foto: Reprodução)

FRANCO UNCINI: ASSEN 1983

Franco Uncini voltou dos mortos. Ao contrário dos demais integrantes da lista, o retorno do italiano não chama atenção pela velocidade da recuperação, mas pelo fato de ele ter se recuperado.

A bordo de uma Suzuki RG500, Uncini defendia o título em 83 quando sofreu uma queda no meio do pelotão no GP em Assen. Ileso, o italiano levantou rapidamente e correu em direção à área de escape, mas acabou atingido por Wayne Gardner, que vinha tentando evitar a confusão.

O impacto contra a cabeça arrancou o capacete de Uncini, que caiu com o rosto no chão, apagado. Levado ao hospital, o piloto ficou em coma por uma semana e foi despertado gradualmente. Franco voltou à ativa na abertura da temporada de 1984, na África do Sul, mas sem jamais recuperar o sucesso do passado.

Franco Uncini surpreendeu por ter sobrevivido (Foto: Reprodução)

MICK DOOHAN: ASSEN 1992

Catedral do Motociclismo, Assen é também uma pista traumatizante. Mick Doohan sofreu uma séria lesão no traçado holandês e precisou de um longo período afastado das pistas.

Dominante em 1992, Doohan chegou à oitava das 13 etapas do Mundial com 53 pontos de vantagem para Schwantz, com Wayne Rainey ― que acabou campeão naquele ano ― em terceiro, com a metade dos pontos do australiano.

Na última sessão de classificação, Doohan caiu na saída da primeira curva em sua primeira volta rápida e, ao invés de escorregar para fora da pista, foi arrastado para o centro, preso embaixo da moto. Mick tentou se soltar, mas estava com a perna direita presa. Ao chegar na zebra, o impacto resultou em fraturas de tíbia e fíbula.

A cirurgia foi feita naquela noite, com o tradicional combo de placa e parafusos. Mas a gangrena entrou em cena para piorar as coisas. Tradicional anjo da guarda dos pilotos, o Dr. Claudio Costa tirou Mick do hospital e o levou para sua clínica na Itália em um voo que teve Kevin Schwantz também como passageiro após ter o quadril deslocado.

O Dr. Costa, então, usou métodos pouco ortodoxos, como costurar as pernas de Doohan juntas para compartilhar o suprimento de sangue e enxertos de pele, por exemplo. A recuperação foi longa e difícil, mas o australiano conseguiu escapar da amputação, mesmo que um novo revés tenha forçado outra cirurgia.

O retorno aconteceu no GP do Brasil. De muletas e com aparência bastante enfraquecida, Doohan recebeu a bandeirada em 12º, enquanto a vitória deixou Rainey a apenas dois pontos do então líder da classificação. A decisão, então, ficou para Kyalami, mas, mesmo sem condições físicas, Mick decidiu correr e tentar bater Wayne para ficar com o título. O australiano acabou em sexto e o terceiro posto do norte-americano adiou a primeira conquista do lendário piloto da Honda.

Mick Doohan foi salvo pelo Dr. Claudio Costa (Foto: Reprodução)

KEVIN SCHWANTZ: ASSEN 1994

Assen também foi palco de um importante revés para Kevin Schwantz. Defendendo o título, o norte-americano fraturou o punho esquerdo em uma queda, mas encarou a corrida holandesa mesmo assim, voltando às pistas apenas um dia após o acidente.

Kevin, aliás, tinha começado a temporada com o punho fraturado, resultado de um acidente de mountain bike.

O norte-americano chegou a Assen atrás de Mick Doohan na classificação, mas não se deixou abater pelo punho fraturado na quinta-feira. No dia seguinte, Schwantz foi para a pista com o braço engessado e um guidão modificado para tentar guiar e completou 18 voltas.

Valente, Kevin decidiu encarar a corrida, mas os analgésicos pouco ajudaram, já que a mobilidade do punho é bastante necessária nas provas de moto. Ainda assim, o norte-americano recebeu a bandeirada em quinto, depois de bater Doug Chandler por seis décimos.

Exausto e com muitas dores, Schwantz voltou aos boxes, onde encontrou o Dr. Claudio Costa pronto para ajudá-lo. O lendário médico da MotoGP, aliás, o recebeu de forma carinhosa, gastando seu pouco inglês para dizer: “eu te amo”.

Apesar de o punho seguir se deteriorando, Schwantz foi insistindo e buscando alternativas para controlar a moto. Kevin ainda conseguiu uma última vitória, em Donington Park, mas se aposentou no início do ano seguinte.

Kevin Schwantz foi campeão das 500cc em 1993 (Foto: Reprodução)

VALENTINO ROSSI: SACHSENRING 2010

A quarta etapa da temporada 2010 da MotoGP foi palco de um dos maiores baques físicos da carreira de Valentino Rossi. Defendendo o título, o #46 sofreu uma forte queda durante um treino em Mugello e acabou com uma fratura deslocada e exposta da tíbia direita.

O italiano da Yamaha precisou passar por uma cirurgia, mas conseguiu voltar às pistas após apenas 41 dias, a tempo de disputar o GP da Alemanha, onde recebeu a bandeirada na quarta colocação depois de uma disputa com Casey Stoner pelo último posto do pódio.

Na época, Rossi fez tudo que pôde para acelerar a recuperação. Depois de 15 dias literalmente com a perna para o alto, o italiano passou a um tratamento intensivo de cinco ou seis horas por dia, também com o uso da câmara hiperbárica.

Valentino Rossi teve fratura exposta num acidente em Mugello (Foto: Yamaha)

COLIN EDWARDS: SILVERSTONE 2011

A história de Colin Edwards é um pouquinho diferente. Em 2011, durante o GP da Catalunha, o norte-americano sofreu uma forte queda nos treinos livres em Montmeló, acabou com uma fratura na clavícula direita e precisou ser operado no dia seguinte.

Apesar da intervenção cirúrgica, Edwards foi ao circuito no domingo disposto a correr, já que defendia a impressionante marca de nunca ter perdido uma corrida desde a estreia na MotoGP em 2003, mas acabou barrado pelos médicos.

Colin não deixou por menos e voltou na prova seguinte, em Silverstone, apenas cinco dias após os médicos colocarem uma placa e sete parafusos para consolidar a fratura. O #5, então, conseguiu uma impressionante oitava colocação no grid e subiu ao pódio com um terceiro lugar em uma prova com piso molhado.

Colin Edwards voltou e foi para o pódio (Foto: Divulgação)

CASEY STONER: INDIANÁPOLIS 2012

Casey Stoner teve seu dia de herói em Indianápolis em 2012. Defendo o título, o australiano chegou ao traçado de Indiana com 32 pontos de atraso para Jorge Lorenzo na classificação da MotoGP e não se deixou abalar nem mesmo por uma fratura no tornozelo direito.

Naquela 11ª etapa da temporada, o australiano sofreu um forte high-side no treino classificatório e fraturou o tornozelo, além de ter danificado também múltiplos ligamentos.

Apesar das lesões, Stoner disputou a etapa de Indianápolis e perdeu o último lugar no pódio para Andrea Dovizioso por apenas 2s493. Depois, o australiano precisou passar por uma cirurgia e acabou perdendo três etapas.

Casey Stoner voltou ainda de muletas (Foto: Repsol)

JORGE LORENZO: ASSEN 2013

Um dos grandes retornos heroicos da história da MotoGP aconteceu em 2013, quando Jorge Lorenzo entrou na pista pouco mais de 30 horas após ser submetido a uma cirurgia para estabilizar uma fratura na clavícula esquerda, resultado de uma queda no segundo treino livre para o GP da Holanda.

Depois da fratura, Lorenzo foi de Assen para Barcelona em um voo privado, foi operado na manhã de sexta-feira e voltou à Holanda na mesma tarde. O #99 foi, então, submetido a um teste físico ainda na manhã de sábado e liberado pelos médicos para correr.

Apesar das dores resultantes da colocação de uma placa de titânio e oito parafusos, Lorenzo conseguiu receber a bandeirada na quinta colocação e voltou aos boxes da Yamaha aos prantos, sendo recebido com aplausos e atendimento médico do Dr. Claudio Costa.

Jorge Lorenzo correu 30 horas após cirurgia. Hoje, regulamento não permitiria (Foto: Divulgação/MotoGP)

VALENTINO ROSSI: URBINO 2017

Em 31 de agosto de 2017, Valentino Rossi sofreu um acidente enquanto fazia um treino de enduro nas cercanias de Urbino, na Itália, e acabou fraturando tíbia e fíbula da perna direita ― a mesma lesionada em 2010.

O piloto da Yamaha precisou passar por uma cirurgia e perdeu o GP de San Marino e da Riviera de Rimini, mas, mesmo aos 38 anos, surpreendeu os médicos.

Apenas 18 dias após o acidente, o #46 voltou a pilotar, guiando uma R1M em um treino privado para verificar sua condição física. A chuva, porém, limitou os trabalhos em Misano, então Valentino voltou à pista no dia seguinte para mais 20 voltas antes de confirmar que tentaria correr em Aragão.

Decididp, o #46 conseguiu aprovação no exame médico obrigatório para voltar às pistas no MotorLand, subindo na M1 apenas 22 dias após fraturar a perna direita.

No treino classificatório na pista de Teruel, o piloto da Yamaha foi ainda mais surpreendente ao conquistar a terceira colocação no grid, atrás apenas de Maverick Viñales e Jorge Lorenzo.

Valentino Rossi voltou rápido de uma segunda fratura na perna (Foto: Divulgação/MotoGP)

WILD-CARD

ANDREA DOVIZIOSO: FAENZA 2020

Andrea Dovizioso é mais recém-recauchutado na temporada 2020 da MotoGP. O piloto da Ducati fraturou a clavícula esquerda em uma prova de motocross em 28 de junho passado, foi submetido a uma cirurgia, mas iniciou o processo de recuperação imediatamente.

O #4 disputou o GP da Espanha normalmente e, 21 dias depois da lesão, conquistou com um terceiro lugar seu primeiro pódio em Jerez de la Frontera com a classe rainha.

Andrea Dovizioso nunca tinha subido no pódio de Jerez na classe rainha (Foto: Ducati)

© 1995 - 2020 - GrandePremio.com.br - Todos os direitos Reservados.

Connect