Siga-nos

Análise

Pole de Stroll entra para galeria dos bons momentos do traiçoeiro 2020

Piloto da Racing Point se livrou dos escorregões e surpreendeu a todos a cravar o melhor tempo no inadmissível asfalto do GP da Turquia. Em ano do hepta de Hamilton, momento curioso se junta por exemplo à inédita vitória de Gasly e aos pódios de Ricciardo com a Renault

Lance Stroll, pole, GP da Turquia 2020,
Reprodução/Twitter/@RacingPointF1

Lewis Hamilton será o campeão da Fórmula 1 em 2020. Se não já neste domingo (14), quando precisa de apenas uma vitória no GP da Turquia, o britânico terá coroada a sua temporada extraordinária com o sétimo título mundial em mais uma ou duas corridas no máximo. Mas o traiçoeiro ano também guardou algumas boas histórias aos demais pilotos. Como a que Lance Stroll poderá contar. O sempre criticado canadense conseguiu sua primeira pole-position na carreira em condições extremas em Istambul, à frente de nomes reconhecidamente bons em pista molhada como Max Verstappen, em segundo; e o próprio Hamilton, em sexto.

A largada para a 14ª das 17 provas do Mundial acontece mais cedo que o horário habitual: às 7h10 (de Brasília), com tempo real e ao vivo do GRANDE PRÊMIO.

“Não consigo colocar em palavras o que está acontecendo agora. Estou em chocado! É sem dúvida um dos grandes momentos da minha carreira. Nós sonhamos com esses momentos e é algo muito especial”, disse Stroll na entrevista logo após a classificação, verdadeiramente feliz pelo feito que havia acabado de conseguir na pista pra lá de escorregadia. O piloto foi investigado por supostamente ter ignorado a bandeira amarela em sua volta rápida, mas escapou de qualquer punição após análise dos comissários.

De 2011, o último ano que recebeu a F1, pra cá, o Istanbul Park viveu o um estado próximo ao abandono. Para receber novamente a categoria em um calendário refeito pela pandemia do novo coronavírus, foi preciso um recapeamento. Só não poderia ter sido feito de última hora. O asfalto novo não teve o tempo necessário para a sua maturação e a pista se apresentou extremamente escorregadia. Ao ponto dos carros não conseguirem andar em linha reta nos treinos livres 1 e 2. Com a chegada no treino livre 3 e também na chuva na classificação, o que já era ruim piorou ainda mais. A sessão decisiva para o grid de largada chegou a ser interrompida com bandeira vermelha em duas oportunidades.

GP da Turquia 2020,
Classificação foi interrompida com bandeira vermelha em duas oportunidades Reprodução/Twitter/@F1

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

Nesse cenário aterrorizante para os pilotos (e também para muitos fãs de automobilismo, já que não são todos que gostam de batidas e querem corrida a qualquer custo), Stroll entrou para a galeria dos raros bons momentos de um ano que já matou mais de 1,3 milhão de pessoas por covid-19. Até então, nos treinos livres, a Racing Point, que ainda comemorou Sergio Pérez na terceira colocação, não havia feito nada de muito relevante. Entre os pneus para chuva e os intermediários, Stroll soube domar o carro rosa impulsionado pelo motor Mercedes e encaixar a volta perfeita para surpreender a todos. 

Goste ou não do piloto que tanto errou em seus primeiros anos de F1, que foi motivo de chacota por ser bancado pelo pai multimilionário que o colocou na Williams, o garantiu na Racing Point e o deixará na Aston Martin, a verdade é que esse piloto foi o pole. Nem por isso, com 22 anos e 74 largada, será o novo potencial campeão mundial. Independentemente do que faça neste domingo, a história é boa em um ano tão amargo. Verstappen mesmo, que liderou boa parte do Q2 e do Q3, pareceu ter errado na escolha final da borracha e, com pneus de chuva perdeu a posição de honra do grid.

Max Verstappen, GP da Turquia 2020,
Vertappen pareceu que ficaria com a pole, mas errou na decisão dos pneus no Q3 Reprodução/Twitter/@F1

“Estou desapontado. Quando você é o primeiro por muito tempo e sai em segundo, não é o que você quer”, disse o holandês da Red Bull. 

Além da pole de Stroll, a temporada do heptacampeonato de Hamilton também poderá ser guardada pela irreverência de Lando Norris, de McLaren, em seu primeiro pódio na carreira, no GP da Áustria; a vitória do inglês Hamilton, no GP da Inglaterra, sem um pneu; o troco de Verstappen no GP seguinte, na comemoração dos 70 Anos da F1; a primeira vitória de Pierre Gasly, de AlphaTauri, no GP da Itália, a primeira vez do também criticado Alex Albon, de Red Bull, no pódio, no GP da Toscana; a ótima corrida do GP de Portugal; e as idas de Daniel Ricciardo, de Renault, ao pódio nos GPs de Eiffel e da Emilia-Romanha. 

O que não estará nas boas lembranças de 2020 certamente será o asfalto do GP da Turquia. Por mais que a pole de Stroll tenha sido um fato marcante, a F1 não pode se arriscar em palcos que não oferecem o mínimo para os carros desempenharem suas velocidades. O traçado é interessante, a curva 8 inclusive está entre as mais desafiadoras do campeonato, mas é inadmissível que carros não possam andar em linha reta, ainda mais sob condições adversas de clima. Resta torcer para mais histórias interessantes e um dia de sol em Istanbul.

LEIA MAIS:

+ A triste história por trás da música do pódio da F1

© 1995 - 2020 - GrandePremio.com.br - Todos os direitos Reservados.

Connect