Siga-nos

Conta-giro

Ipiranga: o combustível da A. Mattheis

A Ipiranga está nas pistas da Stock Car desde 2009. Satisfeita? Sem dúvida alguma. Neste Conta-Giro, a marca explica por que segue feliz na categoria e o quão importante é sentir a reciprocidade dos fãs

A Ipiranga venceu três corridas em 2020 (Foto: Luís França/Vicar)

São 12 temporadas de amarelo e azul nas pistas brasileiras: desde 2009, a Ipiranga coloca sua marca, das mais famosas do país, para decorar a Stock Car, principal categoria do automobilismo nacional. Uma junção que faz todo o sentido, e que tem sido de sucesso desde seu início.

Em 2021, a Ipiranga segue com a A. Mattheis, time com o qual foi vice em 2017 e 2019, com Thiago Camilo, e também segunda colocada entre as equipes neste ano, com não apenas Camilo brilhando e disputando o título até a última etapa, mas também com Cesar Ramos.

Não é sobre título, mesmo que a busca, claro, seja também por ele: é sobre parceria. É sobre entregar não só a exposição, mas fazê-la estando na briga, com resultados, com qualidade. E isso, como explica Andreas Mattheis, que tem a empresa em seus carros desde 2017, é que torna a metáfora precisa: a Ipiranga é o combustível do time que comanda.

“Para uma equipe profissional no automobilismo brasileiro, e particularmente na Stock Car, é muito importante ter uma parceria de longo prazo com um patrocinador forte. A gente tem que fazer um planejamento de investimentos para se manter competitivo. A equipe tem um plano de manutenção preventiva, com troca precoce de peças, e precisa ter um time muito bem treinado, e que é valorizado. São funcionários caros e disputados pelo mercado, engenheiros super capacitados, e isso tudo demanda um investimento muito grande. Eu diria que o patrocinador é o combustível da equipe. A gente ter um patrocinador de grande porte como a Ipiranga, e uma parceria tão bacana como a gente já tem, indo agora para a quinta temporada, dá uma tranquilidade para a gente poder focar no desenvolvimento dos carros, na revisão perfeita e na performance a cada etapa, sem se preocupar em não ter os recursos suficientes para fazer o que é necessário”, explica Mattheis ao GRANDE PREMIUM.

Andreas Mattheis tem a Ipiranga ao seu lado há quatro temporadas (Foto: Duda Bairros/Vicar)

Para um chefe que tem títulos na Stock Car, ter uma marca que valoriza as conquistas e não aceita parar de buscá-las é importante até pela mentalidade que leva ao time: “O diferencial da parceria com a Ipiranga é o grande interesse que os responsáveis pelo projeto têm na Stock Car, no desempenho da equipe.”

“Existe um envolvimento muito grande da comunicação da Ipiranga, engajamento dos funcionários da empresa, uma torcida que além da energia positiva nos dá votos no ‘fan push’. Tudo isso integra o patrocinador com a equipe, melhora o ambiente de trabalho”, explica Mattheis.

A Ipiranga se acostumou a ter sua marca ao lado dos troféus da Stock Car (Foto: Luís França/Vicar)

Ajudar é prazeroso, mas não é como se a Ipiranga vivesse só da colaboração com Mattheis, Camilo, Ramos e todo o pessoal que veste o amarelo e azul durante as etapas pelo Brasil. Há um motivo para que a marca aposte na exposição na Stock Car, e o GP* foi entender.

“Como diz nosso antigo e sempre atual slogan, somos ‘apaixonados por carro, como todo brasileiro’. A Ipiranga é a maior rede privada de postos de combustíveis do Brasil, e a Stock Car é a principal categoria do automobilismo do país, nossa presença aqui é quase imperativa”, explica Francisco Lucio Mandarino Moraes, gerente executivo de Marketing da Ipiranga.

“Automobilismo tem tudo a ver com nosso negócio, e funciona como uma plataforma de comunicação que vai muito além da competição e dos resultados esportivos. Valores como trabalho em equipe, investimento nas melhores tecnologias e recursos humanos, alcançar resultados num ambiente altamente competitivo respeitando as regras e os concorrentes, adaptação rápida a mudanças de cenário, enfim, tudo que praticamos na empresa se repete de certa forma na Stock Car, e temos tido a felicidade, a sorte, e também a competência, de encontrar equipes e pilotos que carregam esses valores da melhor forma possível”, segue.

Cesar Ramos chegou ao time Ipiranga em 2020 (Foto: Duda Bairros/Vicar)

A questão dos valores é dividida com os pilotos: ao GP, por exemplo, Ramos já explicou como realizou um sonho ao se juntar à marca na temporada recente. “Correr pela Ipiranga, usei muito essa palavra, é realmente um sonho. Uma marca super importante, que tem tudo a ver com o automobilismo. E sempre, sempre que esteve na Stock Car, esteve em uma equipe competitiva.”

“Quando eu estava em outras equipes, eu olhava para as dela como uma coisa distante, mas tinha uma relação com os pilotos da Ipiranga e achava incrível. Obviamente eu estava feliz em correr por outras marcas, mas essa junção de Ipiranga e Andreas Mattheis, mais a oportunidade que se abriu para mim, eu chamo de única, tanto é que eu tinha a oportunidade de continuar onde estava, mas mesmo com a proposta de correr poucas etapas em 2020 pela Ipiranga eu topei o desafio, aceitei. Porque era um sonho correr pela marca, e foi uma temporada incrível, aprendi demais, cresci muito como piloto”, completa. No que isso resultou? Em renovação da parceria para 2021.

Os carros #21 e #30 continuarão nos boxes da Ipiranga em 2021 (Foto: Luís França/Vicar)

Quando do anúncio de renovação da dupla, aliás, Thiago Camilo fez postagem comemorativa em seu Instagram: “Feliz em anunciar que seguiremos juntos em 2021 com o mesmo formato desse ano, certamente um time vencedor que cresce a cada ano. Agradeço a Deus, a todos que acreditam e torcem por nós, obviamente à Ipiranga, maior incentivadora da minha carreira nesses anos todos. Vamos em frente que tem muita coisa boa por vir e conquistar.”

Tal mensagem deixa claro algo: após quatro vices, mas dois anos consecutivos sendo quem mais venceu, Camilo quer a taça. E a Ipiranga segue ao lado do #21 porque confia no trabalho que o piloto entrega.

“A conquista do título é o objetivo final, tem um certo peso, claro, mas não determina a continuidade ou não do projeto. O retorno quantitativo de mídia também é importante, é uma plataforma que nos dá muita visibilidade, acompanhamos nossa presença através de relatórios de mercado, e além desse retorno de mídia a Ipiranga Racing nos dá um retorno qualitativo também muito grande, pelo que expus anteriormente acerca dos valores da empresa. Existe um envolvimento, um engajamento de revendedores, funcionários e colaboradores em torno da Ipiranga Racing, que vai além dos títulos ou do retorno de mídia”, ilustra Moraes.

Ipiranga e Camilo estão juntos desde 2009 (Foto: Luís França/Vicar)

Os pilotos estão felizes. O chefe de equipe, contente. A marca, pelo que tudo indica, também – afinal, segue na categoria. Confirma? “A Ipiranga sempre teve na sua estratégia de marca o automobilismo como uma das principais plataformas de comunicação. Estamos na Stock Car desde 2009, e muitas coisas mudaram no país e no mundo. Quando chegamos aqui, as redes sociais praticamente não tinham relevância, não havia streaming, os fãs de automobilismo liam revistas especializadas e assinavam jornais de papel. A correlação de forças das mídias mudou radicalmente.”

“Até como uma experiência de como nos comunicarmos com um de nossos públicos mais fiéis, o fã de automobilismo, o apaixonado por carro, a Ipiranga Racing exerce um papel importante”, diz Moraes.

E, ao mesmo tempo, ele puxa a relação para com o fã – os boxes da Ipiranga são dos mais cheios quando o público é permitido na pista e, consequentemente, há a visitação aos pilotos e aos carros. Então, Moraes resume a felicidade da Ipiranga em estar presente na Stock Car citando o torcedor.

Thiago Camilo e a longa fila de fãs nos boxes da Ipiranga (Foto: Duda Bairros/Vicar)

“A relação da marca Ipiranga com o público através da Stock Car é excepcional. O Thiago [Camilo] está com a gente desde que chegamos à categoria, e a identificação do piloto com a marca é enorme. Depois do Rubens Barrichello, que disputou 19 temporadas na Fórmula 1, o Camilo é o piloto que mais ganhou o ‘fan push’ desde que essa votação foi instituída, por exemplo. E quem vota no Thiago está votando na Ipiranga.”

“Na Stock Car, muito mais que na Fórmula 1, o fã torce pelo piloto, então é importante que façamos muito bem feito esse trabalho de identificação do nome com a marca, e estamos fazendo. Esse ano, o Cesar Ramos chegou à equipe, e desde o primeiro momento mostrou que só tem a somar nessa família que é a Ipiranga Racing. Toda a equipe A. Mattheis, desde o Andreas a todos os membros da equipe, tem identificação com a marca Ipiranga e isso é transmitido de alguma forma para o público.”

“Enfim, é um projeto vencedor, que vai muito além das dezenas de poles e vitórias que viemos obtendo nas pistas esses anos todos”, conclui.

Você pode gostar:

O ano de Roberto Faria

© 1995 - 2020 - GrandePremio.com.br - Todos os direitos Reservados.

Connect