Siga-nos

Conteúdo Especial

Nossa corrida: a primeira de Schumacher, a última de Senna

Em sua estreia pela Williams, Ayrton Senna fez sua última corrida em Interlagos, por mais que, claro, ninguém pudesse prever isso. Ao mesmo tempo, Michael Schumacher vencia de forma inédita no Brasil, começando a caminhada de seu primeiro título

O GP do Brasil de 1994, sem ninguém ter como prever, entrou para a história em razão de dois pilotos que estão entre os maiores da história – ou que disputam o "cargo" de melhor a colocar as mãos no volante.

Interlagos recebeu há 23 anos a estreia de Ayrton Senna na Williams, na corrida inaugural da temporada. Acabaria sendo, também, sua última ida à pista no Brasil. Já Michael Schumacher começava, ali, sua caminhada com a Benetton para seu primeiro título na história da F1.

Quem esteve nas arquibancadas paulistanas viu história. Com direito à duelo na pista, que é o que os fãs gostam e esperam.

Michael Schumacher no cockpit de sua Benetton, prestes a vencer pela primeira vez no Brasil (Michael Schumacher Brasil 1994)

Senna dominou o treino de classificação, marcando 1min15s962. Completou a primeira fila… Schumacher, que anotou 1min16s290. O primeiro passo do duelo.

Só que houve suspeitas, desmentidas, de que a Benetton havia utilizado controle de tração ilegal e outros dispositivos eletrônicos. Na verdade, era apenas uma mostra real do talento do alemão.

No domingo, tirando a ultrapassagem de Jean Alesi na primeira volta, com Schumi respondendo no giro seguinte, nenhuma emoção até a volta 21, quando o alemão ultrapassa Senna sendo mais rápido nos boxes.

Além da briga entre os melhores do grid, o que chamou atenção foi o acidente envolvendo Eric Bernard, Eddie Irvine, Jos Verstappen e Martin Brundle. Este último teve a cabeça atingida por uma roda, mas se safou. Irvine acabaria suspenso por duas corrida e multado em 10 mil dólares.

Ayrton Senna cercado por fãs e jornalistas antes do GP do Brasil de 1994 (Ayrton Senna em Interlagos, 1994)
Na volta 56, o outro momento marcante da corrida e da história da F1. O momento que o próprio Schumacher considera a maior lembrança que possui de Senna.

O brasileiro, forçando para descontar a distância para Schumi, acabou rodando. Despedida melancólica de Senna em seu maior palco.

“Na verdade, de certa maneira, o fato de ele ter rodado me deixou bastante orgulhoso porque achávamos que ele era invencível”, disse o alemão em 2012.

10 pontos para Schumacher, os primeiros do futuro título. 

O GP do Brasil deste ano acontece entre os dias 10, 11 e 12 de novembro e pode decidir o título da temporada 2017. Não perca esta grande corrida e adquira já seu ingresso.

(Senna e Schumacher em Interlagos, 1994)

© 1995 - 2020 - GrandePremio.com.br - Todos os direitos Reservados.

Connect