Siga-nos

Lado a Lado

Os três experientes novatos da Indy 2021

A temporada 2021 da Indy vai contar com três estreantes, mas todos com passagens longas (e algumas vitoriosas) por outras categorias. O GRANDE PREMIUM põe o trio lado a lado e mostra o que cada um pode esperar do novo desafio

Jimmie Johnson vai fazer 13 etapas com o carro #48 da Ganassi (Foto: IndyCar)

O campeonato 2021 da Indy ainda possui algumas vagas em aberto, mas boa parte do grid já foi definida. Na última quarta-feira (3), Romain Grosjean foi anunciado como piloto da Dale Coyne/Rick Ware, para provas em mistos e circuitos de rua, após dez temporadas na Fórmula 1. Com isso, junta-se à dupla de experientes que vão estrear na categoria neste ano.

Romain Grosjean, Jimmie Johnson e Scott McLaughlin possuem experiências em diferentes categorias do esporte a motor, correram em locais distintos, mas vão se juntar no grid da Indy em 2021. Todos com experiência, títulos na bagagem, mas brigando para ver quem é o melhor estreante do ano.

O GRANDE PREMIUM coloca o veterano trio de estrantes lado a lado e lista, além de seus respectivos números nas categorias que passaram, o que cada um vai encarar na nova categoria com início prevista para 18 de abril, em Barber.

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

Jimmie Johnson vai fazer 13 etapas com o carro #48 da Ganassi (Foto: IndyCar)

O heptacampeão em busca do novo desafio

Jimmie Johnson está na Nascar desde 2001, mas não é um completo desconhecido na categoria. Pelo contrário, é um dos maiores nomes da história e com números que o colocam ao lado de lendas do esporte a motor, com Richard Petty e Dale Earnhardt.

Dono de sete títulos e 83 vitórias na Nascar, Johnson deixou a categoria no fim de 2020 em busca de novos desafios. A Indy, também nos Estados Unidos, foi a opção mais próxima e interessante para o experiente piloto de 45 anos.

O veterano vai competir em 13 etapas com o carro #48, todas em circuitos mistos ou de rua, deixando de lado os ovais — que garantem a maior parte do calendário da Nascar — para o brasileiro Tony Kanaan.

O acordo com a tradicional equipe Ganassi cria expectativas positivas para Johnson, é verdade, principalmente pelo bom rendimento do carro, mas também aumenta a pressão. Dividir o carro com o também experiente Tony Kanaan pode deixar as diferenças dentro das pistas ainda maior. Por outro lado, ter os jovens Marcus Ericsson e Álex Palou no mesmo time aumenta a responsabilidade de bons resultados. Isso, claro, sem falar no atual campeão Scott Dixon, que intimida qualquer um no grid.

Carreira na Nascar

686 GPs disputados
20 temporadas
83 vitórias
36 poles
7 títulos (2006, 2007, 2008, 2009, 2010, 2013 e 2016)
18º colocado na temporada 2020

Scott McLaughlin vai correr pela Penske em 2021 (Foto: IndyCar)

McLaughlin: jovem e experiente, vencedor e desconhecido

Scott McLaughlin vai correr pela Penske, uma honra que poucos podem ter na Indy. Mas muitos que acompanham o esporte a motor podem não conhecer o neozelandês de 27 anos que dominou o V8 Supercars, na Austrália, pela equipe de Roger Penske.

Com 56 vitórias, já é considerado como um dos maiores da história do campeonato australiano. Isso, claro, sem contar o tricampeonato entre 2018 e 2020. O desempenho chamou a atenção da Penske na Indy, que o chamou para um teste no início do ano passado.

A estreia já rolou, no GP de St. Pete, que encerrou a última temporada da Indy. E foi discreto, apenas com a 22ª segunda colocação. Agora, é a vez de disputar o campeonato completo pela primeira vez.

Em um time tradicional da Indy, que sempre luta por títulos, e que manteve a base vencedora dos últimos anos, McLaughlin corre com o peso de manter os bons resultados que fazem a Penske ser de ponta e para provar que o domínio no V8 Supercars não foi por acaso.

Carreira no V8 Supercars

251 GPs disputados
9 temporadas
56 vitórias
76 poles
3 títulos (2018, 2019 e 2020)

Romain Grosjean, Haas, acidente GP do Bahrein 2020,
Romain Grosjean passou por impressionante acidente há dois meses (Foto: Reprodução/Twitter/@HaasF1Team)

Do acidente assustador à mudança de categoria

Romain Grosjean passou, em novembro de 2020, por um dos momentos mais assustadores de sua carreira, durante o GP do Bahrein. Na primeira volta, foi tocado, perdeu o controle e bateu o carro da Haas no guard-rail. O veículo se dividiu no meio e explodiu, mas o franco-suíço escapou das chamas com queimaduras nas mãos e em um dos tornozelos.

A experiência fez o piloto de 34 anos rever muitas coisas na vida, dentro e fora das pistas. A decisão de voltar a correr tão cedo espanta, mas também parece carregada de entusiasmo por parte de Grosjean. Em 2021, vai competir pela Dale Coyne/Rick Ware Racing apenas nos circuitos mistos e de rua — nada de ovais no momento.

Após diversos títulos nas categorias menores, muito se esperava de Grosjean na Fórmula 1. A primeira passagem, em 2009, foi curta e cheia de erros. Quando voltou em 2012, parecia melhor e pódios começaram a surgir. O problema é que acidentes também marcaram a carreira do piloto. No fim, saiu da F1 no fim de 2020 com a sensação de que poderia ter sido mais do que foi, mesmo sem estar nas equipes de ponta.

A mudança para a Indy soa como um desafio para o insatisfeito Grosjean, que vê a categoria mais equilibrada do que a Fórmula 1 e sem tanta dependência dos carros. É a chance de mostrar que com equipamentos parecidos, há chance de brigar por pódios e vitórias, algo que ele não pode almejar nos últimos anos com a Haas.

Independente dos resultados nesta primeira temporada, o mais importante parece ser a volta de Grosjean após o impressionante acidente no Bahrein. Um sopro de esperança depois do susto e das chamas.

Carreira na Fórmula 1

181 GPs disputados
10 temporadas
1 volta mai rápida
10 pódios
19º colocado no Mundial de 2020
Melhor resultado: 7º em 2013

© 1995 - 2020 - GrandePremio.com.br - Todos os direitos Reservados.

Connect