Siga-nos

Lado a Lado

Barrichello 2000 x Barrichello 2009

30 de julho marca o aniversário de vitória de Rubens Barrichello na Fórmula 1. Mas qual o contexto de seu primeiro triunfo? E de seu último? O GP* compara

Barrichello exibe orgulhoso a bandeira do Brasil (Foto: AFP)

30 de julho de 2000. Foi neste dia que Rubens Barrichello alcançou sua primeira vitória na Fórmula 1, em um GP da Alemanha agitado e chuvoso, em Hockenheim. Foi também a primeira vitória de um piloto brasileiro na F1 desde 1993. A última havia sido com Ayrton Senna no GP da Austrália. No alto do pódio alemão, um emocionado Barrichello, então na Ferrari, chorou, fez festa e até sambou. Foi um triunfo construído na coragem e na ousadia.

Depois disso, o tempo acelera em sete anos. O dia agora é 13 de setembro de 2009. O palco é Monza, que recebia o GP da Itália, e com a recém-criada e surpreendente Brawn GP, Rubens festejou sua 11ª e última conquista na Fórmula 1. Também foi a última de um competidor brasileiro no Mundial.

Foram duas atuações de gala e separadas por contextos muito diferentes, mas com um grande significado para o piloto e para o Brasil. Por isso, o GRANDE PREMIUM traz uma comparação dos dois feitos com seus respectivos cenários das épocas, aproveitando os 20 anos do triunfo que mudou a trajetória de Barrichello.

30 de julho de 2000, GP da Alemanha, Ferrari

Temporada na F1:
Equipe: Ferrari
Companheiro: Michael Schumacher
Corridas até a vitória: 124
Pódios até a vitória: 12
Pontos após a vitória: 46
Classificação final no campeonato:

Para começar a entender como veio a primeira vitória de Rubens, é necessário compreender o contexto do brasileiro na categoria. Há sete anos na F1 – quatro temporadas na Jordan e depois três na Stewart –, a chance na Ferrari surgiu por conta do forte campeonato que fez no time comandado por Jackie Stewart ao subir três vezes ao pódio em 1999 – ainda, uma vitória em Interlagos teria vindo não fossem problemas mecânicos.

Então, em 2000, a escuderia de Maranello o contratou para ser companheiro de Michael Schumacher e assumir o posto de Eddie Irvine. As expectativas estavam altas para a parceria piloto/equipe, especialmente porque o público no Brasil ainda sentia a morte de Ayrton Senna, seis anos antes. E logo na primeira corrida, já mostrou que entregaria bons resultados: foi segundo no GP da Austrália.

Aos 28 anos à época e guiando pela icônica esquadra italiana, que começava o primeiro de seus cinco anos de amplo domínio na F1, a campanha de Barrichello ia de vento em poupa a bordo da Ferrari F1-2000. Nas dez primeiras etapas do calendário, subiu seis vezes ao pódio e teve dois quartos lugares. Os dois únicos reveses foram dois abandonos, um no Brasil e outro na Inglaterra.

Portanto, chegou a Hockenheim na quarta posição da classificação, atrás do companheiro alemão e da dupla da McLaren, David Coulthard, segundo, e Mika Häkkinen, terceiro. Com 46 pontos, o brasileiro estava com 20 de desvantagem para o então bicampeão.

Rubens é cumprimentado por Coulthard (Foto: AFP)

E vindo de quatro top-3 consecutivos, a confiança estava em alta para a prova na Alemanha. Entretanto, os primeiros treinos já indicaram que a vida de Barrichello não seria tão fácil. No TL1, ocupou apenas o quarto posto da folha de tempos, a quase 0s6 de Michael. No TL2, repetiu o resultado.

Na classificação, novo revés: com problemas elétricos, conseguiu apenas o 18º posto de largada, ficando à frente apenas de Pedro Paulo Diniz, na Sauber, Jean Alesi, Gastón Mazzacane e Marc Gené. Quem saiu da ponta foi Coulthard, com Schumacher fechando a primeira fila. Então, pensar em vitória em um cenário adverso parecia complicado, mesmo com a expectativa de chuva para o domingo.

Mas o brasileiro apostou na previsão do tempo e adotou estratégia ousada: largar com menos combustível, apostar no potencial da Ferrari e nos pit-stops para escalar o pelotão e terminar na zona de pontos – na época, apenas os seis primeiros pontuavam. E a decisão deu certo e o desempenho foi notável: na primeira volta, era décimo; na quinta, ocupava o quinto posto; na 15º, já estava em terceiro, atrás apenas de Häkkinen e Coulthard.

Com 17 giros completados, Rubens decidiu ir aos boxes. Voltou à pista em sexto, subiu para quinto e viu um cenário improvável acontecer pouco depois: um homem entrou no traçado para protestar contra a Mercedes – ex-funcionário contra sua demissão, e forçou a entrada do safety-car. Neste ponto, era o único ferrarista na pista – Michael havia abandonado vítima de um acidente. Quando a prova foi retomada, novo carro de segurança foi acionado por uma batida envolvendo Diniz e Alesi.

Barrichello é carregado pela Ferrari (Foto: AFP)

No novo início, Barrichello era terceiro e viu sua sorte mudar com a chegada da chuva. A água encharcou principalmente o setor mais lento da pista, o Estádio. Vendo seus adversários indo aos boxes trocar para pneus de chuva, o brasileiro continuou no traçado e apostou nos slicks para os trechos secos. Pulou para primeiro.

O tempo não dava trégua, mas o piloto da Ferrari aproveitava as retas do circuito a seu favor e ia abrindo diferença na ponta. Nos giros finais, tinha 10s para o finlandês da McLaren, que chegava a tirar o atraso, mas que não foi suficiente para roubar a primeira colocação do #4. Com isso, cruzou a linha de chegada em primeiro com a memorável narração de Galvão Bueno que dizia “Rubens, Rubens, Rubens Barrichello do Brasil” e encerrou um jejum que durou exatos seis anos, oito meses e 23 dias sem vitórias do país na Fórmula 1 – o último havia sido Senna na Austrália, em 1993. O maior período anterior foi de cinco anos entre Emerson Fittipaldi, em julho de 1975, e Nelson Piquet, em março de 1980.

Ao GP*, Barrichello conta que “a primeira vitória veio inesperada pelo simples fato de que, no sábado, fui dormir muito triste com a 18ª colocação. Tinha motivos para estar feliz, por estar classificado na corrida. Eu saí, o Michael [Schumacher] havia batido o carro dele, o meu motor havia quebrado, fiquei esperando mudar meu motor. Saí faltando dez minutos de classificação, a pista já estava molhada e mesmo assim fiz o 18º tempo dos 22 que estavam lá presentes.”

“Na largada, numa Ferrari em 18º nunca é bom. Saí e a prova foi se modelando a mim. O carro estava muito rápido, logicamente toda a história do safety-car e tudo ajudou, mas o que ajudou mesmo foi o final, ficar com o pneu slick na chuva e o bate-papo, digamos assim, com o Ross Brawn no rádio a respeito. Ele me chamou de louco, mas um louco prudente que ganharia a corrida. Realmente ganhei muitos pontos naquela corrida não só da vitória, mas também com o respeito por tomar a própria decisão em momento que precisava”, completa.

13 de setembro de 2009, GP da Itália, Brawn

Temporada na F1: 17ª
Equipe:
Brawn GP
Companheiro:
Jenson Button
Número de vitórias: 10
Pontos após a vitória: 66
Classificação final no campeonato:

Neste ponto da história, a carreira de Rubens deu nova virada. Até chegar à Brawn, em 2009, Barrichello tinha passado cinco anos na Ferrari, ficando até 2005. Depois, foi para a Honda e ficou até 2008. Ao final deste ano, a marca nipônica decidiu deixar a F1 após duas temporadas frustrantes e com o mundo diante de uma crise financeira. E é aí que Ross Brawn entra na história.

O anúncio da fábrica japonesa pegou todos de surpresa. Mas apesar de toda a confusão, os funcionários na sede seguiam com o projeto do carro que iria para a pista em 2009, ano que ainda contava com novo regulamento técnico. A solução para todo o problema veio apenas com o campeonato batendo à porta, faltando menos de um mês para a primeira corrida. O dirigente inglês, diretor da Honda até 2008, comprou o espólio do time por um preço simbólico e criou a Brawn GP.

Com a atitude, manteve todos os empregados e pilotos – Rubens, favorecido em cima de Bruno Senna por ser mais experiente, e Jenson Button. Na escolha dos motores, a Ferrari chegou a ser cogitada como fornecedora, mas, no final das contas, fechou com a Mercedes. A história começava a ganhar um contorno interessante.

Barrichello é carregado após a vitória (Foto: Reprodução)

Nos testes coletivos em Barcelona, o paddock ficou espantado com o excelente carro inglês. Com linhas aerodinâmicas eficazes e um motor mais potente e com melhor dirigibilidade que o antigo Honda, o time mostrou que não estava para brincadeira – e fez isso tudo sem qualquer patrocinador. O carro surgiu todo branco. Ainda, aproveitou uma área cinzenta do regulamento para desenvolver revolucionário difusor duplo.

Com o início do campeonato, Button venceu nada menos que seis das sete primeiras corridas. Enquanto isso, Rubens não conseguia acompanhar o ritmo do companheiro, mas também vinha somando pontos e bons resultados: foram três pódios em sete disputas. A reação veio em Valência, primeiro triunfo do brasileiro na temporada e fim de um jejum de 84 corridas sem ganhar – a última vez que havia estado no degrau mais alto do pódio foi no GP da China de 2004. Mas a briga para encostar no inglês seguia.

Então, quando a categoria chegou à Itália para a 13ª etapa daquele ano, o líder da classificação era Button, com 72 pontos. Rubens era vice-líder com apenas 16 tentos de desvantagem. Sebastian Vettel, jovem de pouco mais de 22 anos e já liderando a Red Bull, era o terceiro colocado.

Na classificação para a disputa em Monza, Lewis Hamilton colocou a McLaren na pole-position com o tempo de 1min24s066. Quem surpreendeu foi Adrian Sutil, da Force India, também com motor Mercedes, no segundo posto. Barrichello e Button apareceram apenas na terceira fila do grid, ficando em quinto e sexto, respectivamente.

A euforia de Rubens no pódio (Foto: Reprodução)

Quando a largada foi autorizada, Hamilton seguiu na ponta, enquanto Kimi Räikkönen e Sutil surgiram na sequência. Mais para trás, a dupla da Brawn deu o bote em cima do Heikki Kovalainen para subirem uma posição cada um.

Com o decorrer das voltas, ficava claro que a briga pela primeira posição seria decidida na estratégia. Enquanto Rubens e Jenson vinham para uma parada cada, o inglês da McLaren correu para duas. Com o brasileiro e o companheiro com ritmo combativo, ultrapassaram Lewis quando o campeão vigente passou novamente pelos boxes. Com isso, a ordem era Barrichello, Button, Hamilton, Räikkönen e Sutil.

Quando restava apenas um giro para a bandeira quadriculada, o atual hexacampeão da F1 tentou dar o bote em cima de Jenson, mas o lance não deu nada certo. O piloto escapou na segunda perna da curva Lesmo e atingiu a barreira de pneus, acionando o safety-car e não tirando mais a vitória de Barrichello. Ali, o Brasil alcançava seu 101º e, até o momento, último triunfo na Fórmula 1. Também foi o último pódio de Rubens na categoria – com a venda da Brawn para a Mercedes, assinou com uma nada competitiva Williams, deixando o Mundial ao final de 2011.

Brawn GP comemora a dobradinha em Monza (Foto: Reprodução)

“É impressionante como nós não tivemos mais vitórias desde então, mas a prova de Monza foi em cima da estratégia e de um ritmo muito forte. Uma pista que amo, que sempre andei muito bem. O carro era equilibrado, já não era mais o momento da Brawn naquela hora, tanto McLaren quanto Red Bull andavam forte”, disse ao GP*.

“Havia achado todos os problemas durante o ano e quando possível, em cima de estratégia, também conseguia a vitória. Lembro do meu engenheiro no rádio, dizendo que era bom o suficiente para ganhar. Quando faço a parada e vejo que saio na frente… Foi realmente dominante. Lembro bem do pódio, da alegria de ver os ferraristas ali embaixo também. Uma alegria contagiante”, conclui.

© 1995 - 2020 - GrandePremio.com.br - Todos os direitos Reservados.

Connect