Siga-nos

Ranking GP

As notas do GP da Bélgica 2020

Muito se esperava da prova belga, mas pouco aconteceu de verdade. O vencedor foi o mesmo de quase sempre e ação foi algo raro

Hamilton e Boseman são inspiração, cada um em sua área de atuação - e fora dela (Foto: Twitter / Mercedes)

Os dias passaram desde a edição 2020 do GP da Bélgica e somente uma pergunta ainda mora na cabeça de qualquer fã de Fórmula 1 no mundo: onde está aquela chuva que prometeram? Assim como na Espanha, a Bélgica reservou chuva para algumas horas depois da corrida – e talvez valesse a pena ter esperado. A prova de Spa-Francorchamps foi das mais monótonas do campeonato.

Na frente, o piloto que atingiu nível completamente fora do comum. Lewis Hamilton sobrou na classificação e controlou a corrida mesmo com os pneus desgastados à vera. Nova vitória de ponta a ponta, entretanto, rendeu nova nota 9.0, a maior do fim de semana.

E as menor nota? Essa cabe a Antonio Giovinazzi, responsável pelo forte acidente das primeiras voltas. O italiano perdeu o controle da Alfa Romeo, encheu o carro no muro e ainda mandou um dos pneus para a suspensão da Williams de George Russell, que também abandonou. Nota 2.5 para o italiano.

As notas do Ranking GP são distribuídas por Gabriel Curty, Pedro Henrique Marum e Vitor Fazio.

Hamilton buscou a vitória 89 em Spa (Foto: Mercedes)

1º) Lewis Hamilton – 9.0 – A nota aqui não é demérito algum para Lewis, deixemos claro. Mas é que é difícil dar 10 em uma corrida tão facilmente controlada diante de outras equipes bem inferiores e de um companheiro de time tão passivo. Hamilton fez a dele, com uma classificação brilhante, boa largada, grande relargada e controle perfeito dos pneus. Muito perto do hepta.

2º) Valtteri Bottas – 7.0 – Bottas venceu Verstappen e achamos que isso já é algo a ser destacado, por mais que seja, sim, só a sua obrigação. Fica o puxão de orelha pela falta de combatividade na largada e na relargada, quando poderia ter superado Hamilton, mas vacilou. De novo.

3º) Max Verstappen – 7.5 – Verstappen voltou a andar completamente sozinho, mas era algo esperado para a Bélgica, que faz tempo que não é um lugar amado pela Red Bull. A nota ganha um pouco mais pelo fato de nem ter dado chance para as Renault, que pareciam capazes de incomodar. É, fora Hamilton, o piloto do momento e do grid.

Daniel Ricciardo, Renault, GP da Bélgica 2020,
Daniel Ricciardo terminou na quarta posição (Foto: Reprodução/Twitter/@RenaultF1Team)

4º) Daniel Ricciardo – 8.5 – Pista de alta? Chama a Renault! O motor melhorou muito, o carro, desde 2019, adora Spa, Montreal, Silverstone e Monza, ou seja, bom sinal para o fim de semana também. Ricciardo bateu Ocon e ainda fez a volta mais rápida da corrida no fim. O pódio parece muito próximo e questão de tempo, mas precisa ser em pista de alta!

5º) Esteban Ocon – 8.0 – Ultrapassagem na última volta, 10 pontos na conta, terceira fila do grid e um ritmo bem parecido com o de Ricciardo. Nada mal, né? Ocon ainda pode mais e sabe que o 2020 dele não é sensacional, mas vai ganhando confiança e retomando a forma. É um dos grandes talentos do grid.

6º) Alexander Albon – 6.0 – Sim, é verdade que Albon não nos proporcionou o entretenimento que costuma, com ultrapassagens e arrojo, mas foi por uma boa causa. É que, finalmente, o tailandês se classificou de forma decente e andou mais próximo de onde precisa estar. Sim, o lugar dele é quarto, mas vamos relevar pela força da Renault no final de semana. Precisa de mais corridas tranquilas assim, ainda que os fãs prefiram um show de ultrapassagens.

7º) Lando Norris – 6.5 – Norris continua somando bons pontinhos, mas fica a impressão de que dava para fazer mais com o carro que tem e o bom motor Renault. Na realidade, Norris tem dado muita sorte que todo o azar do time está com Sainz e isso tem feito seus resultados não serem comparados aos do companheiro. Faz ótimo 2020, mas pode até ser melhor.

8º) Pierre Gasly – 8.5 – A gente tem falado repetidas vezes aqui que Gasly é um dos melhores da temporada, mas podemos cravar: hoje, o francês só não está em forma melhor do que Hamilton e Verstappen. Grande nome da corrida, empilhou ultrapassagens e poderia ter brigado por um top-5 não fosse o safety-car que complicou sua boa estratégia. Gasly está voando e foi ainda melhor impulsionado pela memória do amigo Anthoine Hubert.

9º) Lance Stroll – 6.0 – Nada de especial, né? Mas nada mesmo. Ficou na frente de Pérez, mas só porque a estratégia do mexicano foi um desastre. A Racing Point caiu em pistas de alta e Stroll não fez muito para virar esse jogo. No entanto, temporada bem aceitável dele.

10º) Sergio Pérez – 6.0 – Depois de Gasly, foi quem mais ultrapassou, mas isso aconteceu pela péssima tática de não parar no safety-car com pneus macios gastos. Poderia ter brigado ali com Norris tivesse sido mais conservador, deveria ter chegado na frente de Stroll. Corrida mediana também.

Leclerc fez apenas figuração no GP da Bélgica de 2020 (Foto: Twitter / Ferrari)

11º) Daniil Kvyat – 5.0 – Mais uma vez, não parece que Kvyat fez menos do que a AlphaTauri poderia entregar, mas a comparação com Gasly tem sido bem cruel para ele. O russo até bateu o companheiro na classificação pela primeira vez no ano, mas foi atropelado na corrida mesmo quando tinha pneus mais macios que Pierre. Sofre para pontuar em 2020.

12º) Kimi Räikkönen – 7.0 – Se a Espanha tinha sido a melhor de Kimi em 2020, agora foi a Bélgica! Sim, o finlandês segue zerado no campeonato, mas ao menos parece ter retomado a vontade de correr. E manteve também a tradição de ótimas exibições em Spa. Faltou motor, faltou carro, mas chegou na frente das duas Ferrari.

13º) Sebastian Vettel – 5.0 – Completamente entregue em um carro péssimo de motor ainda pior, Vettel foi figurante da corrida. Em geral, não poderia fazer quase nada melhor do que foi, mas, sim, deveria ter completado a prova na frente de Räikkönen.

14º) Charles Leclerc – 5.0 – Fez uma parada a mais, mas nem com pneus novos conseguiu sair passando o pelotão. Mais um sem culpa do fracasso da Ferrari, mas mais um que deveria ter ficando na frente de Kimi.

15º) Romain Grosjean – 5.0 – Romain foi consideravelmente melhor que Magnussen durante o final de semana todo e não teve culpa alguma no resultado. Mais: não se envolveu em qualquer tipo de confusão ou polêmica. Precisa dar um jeito de arrumar um 11º lugar para não terminar o ano na lanterna.

George Russell desolado após batida na qual foi vítima (Foto: Williams)

16º) Nicholas Latifi – 4.5 – Latifi é muito ruim, muito. Era uma etapa em que deveria ter classificado na frente, no mínimo, das duas Alfa Romeo e das duas Haas. E deveria ter brigado ali pelo 12º lugar em condições normais. Passou longe.

17º) Kevin Magnussen – 4.0 – Atropelado por Grosjean. Em um carro que talvez fosse o pior da etapa, é a comparação que podemos fazer. Ficou em último.

NC) George Russell – 5.0 – De todas as vezes que Russell colocou a Williams no Q2, certamente foi a menos emocionante ou heroica. É que os motores Ferrari são terríveis e deixaram seis carros muito lentos na Bélgica, que exige tanto. Levou azar no acidente com Giovinazzi, poderia ter repetido o 12º lugar, seu melhor no ano.

NC) Antonio Giovinazzi – 2.5 – Mais um acidente na Bélgica, hein? Giovinazzi é bastante limitado e, em condições normais, não deveria seguir no grid em 2021. Vinha no bolo pelo 12º lugar até a batida.

NL) Carlos Sainz – 6.0 – Problemas antes da largada e o espanhol sequer correu. É, sem dúvida, o maior azarado da temporada, deveria estar brigando no detalhe com Norris na tabela de pontos. Classificou-se muito bem de novo.

F2-1-1024x683.jpeg" alt="" class="wp-image-4168" srcset="https://cdngp.s3.us-east-2.amazonaws.com/wp-content/uploads/2020/09/01203117/GPF2-1-scaled.jpeg 1024w, https://cdngp.s3.us-east-2.amazonaws.com/wp-content/uploads/2020/09/01203117/GPF2-1-scaled.jpeg 300w, https://cdngp.s3.us-east-2.amazonaws.com/wp-content/uploads/2020/09/01203117/GPF2-1-scaled.jpeg 768w, https://cdngp.s3.us-east-2.amazonaws.com/wp-content/uploads/2020/09/01203117/GPF2-1-scaled.jpeg 1536w, https://cdngp.s3.us-east-2.amazonaws.com/wp-content/uploads/2020/09/01203117/GPF2-1-scaled.jpeg 2048w, https://cdngp.s3.us-east-2.amazonaws.com/wp-content/uploads/2020/09/01203117/GPF2-1-scaled.jpeg 1480w, https://cdngp.s3.us-east-2.amazonaws.com/wp-content/uploads/2020/09/01203117/GPF2-1-scaled.jpeg 2220w" sizes="(max-width: 740px) 100vw, 740px" />
A largada do GP da Bélgica de 2020 (Foto: Mercedes)

GP da Bélgica – 4.0 – Após parada de duas semanas, ninguém esperava que a próxima corrida – sobretudo sendo em Spa – fosse tão inconveniente quando a última, em Barcelona. Mas foi exatamente o que aconteceu. Quantas corridas mais para Lewis Hamilton comemorar o sétimo título?

Melhores GPs – GPs da Áustria e 70 Anos – 8.5
Pior GP – GPs da Espanha e Bélgica – 4.0
Média da temporada – 6.2

1°) Lewis Hamilton – 8.8
2°) Max Verstappen – 8.0
3°) Pierre Gasly – 7.1
4°) Nico Hülkenberg – 7.0
5°) Lando Norris – 6.6
5°) Valtteri Bottas – 6.6
5°) Daniel Ricciardo – 6.6
8°) Sergio Pérez – 6.5
9°) Alexander Albon – 6.4
9°) Carlos Sainz – 6.4
9°) Esteban Ocon – 6.4
12°) Lance Stroll – 6.1
13°) Charles Leclerc – 5.9
14°) Daniel Kvyat – 5.8
15°) George Russell – 5.2
15°) Sebastian Vettel – 5.2
17°) Kimi RäikKönen – 5.1
18°) Kevin Magnussen – 5.0
19°) Romain Grosjean – 5.0
20°) Antonio Giovinazzi – 4.2
21°) Nicholas Latifi – 4.2

*Com Gabriel Curty e Vitor Fazio

© 1995 - 2020 - GrandePremio.com.br - Todos os direitos Reservados.

Connect