Siga-nos

Ranking GP

As notas do GP da Turquia

Asfalto capenga e água para brindar: foi assim que a Turquia voltou à Fórmula 1 e viu Lewis Hamilton fazer mais um pouco de história

Lewis Hamilton é heptacampeão mundial - para orgulho do pequeno Roscoe (Foto: Mercedes)

Fora da Fórmula 1 desde 2011, o Istambul Park fez com que a expectativa do público fosse uma corrida notável. E, de fato, foi. Mas não pelos motivos esperados. Numa pista em condições lamentáveis e com chuva para dificultar ainda mais, Lewis Hamilton buscou uma vitória improvável para fechar o campeonato em grande estilo.

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

Confira todas as edições da temporada 2020 do Ranking GP.

A organização do evento arrumou um novo asfalto algumas semanas antes da prova. O que já não parecia promissor se tornou uma verdadeira pista das Olimpíadas do Faustão conforme o fim de semana avançou. Nesta realidade alternativa que se formou, a Mercedes parecia carta fora do baralho. Só parecia. Ao fazer das deles, vencer e ser campeão, Hamilton levou nota máxima.

Já a pior nota coube a Nicholas Latifi. O piloto da Williams jamais se aproximou do restante do pelotão e parecia um estranho vencedor de concurso para andar junto aos profissionais. Menção também a Valtteri Bottas, em jornada depressiva.

As notas do Ranking GP são distribuídas por Gabriel Curty, Pedro Henrique Marum e Vitor Fazio.

Sebastian Vettel cumprimenta Lewis Hamilton pelo título #7 (Foto: Mercedes)

1º) Lewis Hamilton – 10 – Tecnicamente não foi a melhor das apresentações de Hamilton e isso é evidente, mas a forma que o agora heptacampeão deu para vencer o GP da Turquia foi espetacular. Cuidando dos pneus, respeitando os limites do carro e da pista, o inglês deu um show de resistência e passou, em poucas voltas, de fora do pódio para o primeiro lugar.

2º) Sergio Pérez – 9.0 – O mexicano teve uma das grandes atuações da carreira e foi postulante real até a um triunfo. Aproveitando-se de uma Racing Point que estava voando na chuva e no asfalto nada aderente turco, Pérez soube cuidar do equipamento bem melhor que Stroll e acabou com o melhor resultado dele na F1. Se garante para 2021?

3º) Sebastian Vettel – 9.0 – No ano mais apagado da carreira, Vettel renasceu na Turquia. O alemão teve um desempenho fabuloso, largou muito bem, se defendeu de forma excelente, fez ultrapassagens e ainda ganhou um pódio ao ser esperto e esperar o que daria da briga entre Pérez e Leclerc. Pódio merecido e que serve para o enorme Seb recuperar a confiança para 2021.

Sebastian Vettel voltou ao pódio (Foto: Ferrari)

4º) Charles Leclerc – 8.5 – A nota aqui poderia ter sido ainda mais alta não fosse aquela última volta, aquele último detalhe. Quando Pérez errou, o monegasco virou segundo, mas cometeu um erro parecido na curva seguinte e perdeu não só a segunda colocação, mas também o pódio. De todo modo, fez uma bela corrida de recuperação, escalou o pelotão e quase beliscou outro top-3. Faz ótimo ano.

5º) Carlos Sainz – 8.5 – Falando em ótima atuação, em ótimo ano e coisa do tipo: Sainz merece os mesmos elogios. O espanhol teve mais uma exibição muito consistente, cresceu de rendimento da metade para o fim da corrida e foi somando ultrapassagens. Foi outro que ainda quase chegou no pódio.

6º) Max Verstappen – 5.5 – O GP da Turquia parecia absolutamente nas mãos de Max Verstappen desde a sexta-feira, quando as Mercedes se mostraram completamente perdidas no asfalto com pouca aderência, mas ficou ainda mais encaminhado quando a chuva apareceu no sábado e no domingo. Só que Max decepcionou. Afobado, foi errático e jogou fora uma chance que ele sabe que era muito clara de triunfo. Perdeu o 100% de pódios nas corridas completadas.

7º) Alexander Albon – 6.0 – Albon é o cara que se destaca em corridas caóticas, né? Brasil e Alemanha em 2019, Estíria e Toscana em 2020, agora também na Turquia. Só que Albon, por mais que tenha tido momentos bem legais na prova, foi outro que perdeu um pódio ou até uma vitória que pareciam possibilidades bem reais. Um erro sozinho custou caro no fim.

8º) Lando Norris – 6.5 – Lando teve uma postura agressiva e cresceu na reta final da corrida, mas foi consideravelmente pior que Sainz. Aliás, o inglês faz um ano abaixo do companheiro de equipe, mas incrivelmente só foi ultrapassado no Mundial de Pilotos agora. De todo modo, tem sido peça fundamental para a McLaren seguir sonhando com o top-3 nos Construtores.

9º) Lance Stroll – 7.0 – Deu pena aquele final de prova do canadense. Pole de forma espetacular na chuva, Lance fazia uma corrida excelente, abrindo margem na dianteira e parecendo ter tudo controlado. Só que aí veio o desgaste absurdo de pneus, um pit-stop extra e, quando viu que a vitória estava escapando, Lance se desesperou e passou a errar, andar mais lento e foi desabando no pelotão. Uma pena mesmo, merecia mais.

10º) Daniel Ricciardo – 5.0 – Depois de ótimas atuações, Ricciardo não foi bem na Turquia. Teve uma bela classificação, é verdade, mas não achou ritmo na corrida e, para piorar, bateu no companheiro Ocon na largada, algo que pesou para a Renault, agora mais afastada de Racing Point e McLaren.

Valtteri Bottas teve um dia dos mais difíceis (Foto: Mercedes)

11º) Esteban Ocon – 5.0 – Ocon foi novamente decepcionante e voltou a terminar atrás de Ricciardo, mas talvez sua nota seja mais pela classificação abaixo do que poderia do que pela prova, completamente prejudicada por dois toques sofridos na primeira volta: um de Ricciardo, outro de Bottas. De último, Esteban remou até 11º, mas ficou sem pontos em uma corrida na chuva, do jeito que mais gosta.

12º) Daniil Kvyat – 4.5 – Não é muito justo dar notas baixas aqui para a dupla da AlphaTauri porque os dois disseram claramente que o carro não tinha qualquer condição na chuva. A gente fica, então, perto da média para ambos.

13º) Pierre Gasly – 4.5 – É meio que o mesmo comentário de Kvyat. Aliás, os dois são caras que já andaram bem na chuva em outras situações, parece realmente que era o carro de ambos que estava tenebroso.

14º) Valtteri Bottas – 1.0 – Que atuação absolutamente medonha. Seis rodadas, uma das performances mais fracas que a F1 viu nos últimos tempos e nenhum ponto conquistado. Na corrida em que precisava bater Hamilton para seguir vivo na temporada, Bottas reagiu da pior forma possível e foi atropelado, até volta de Lewis tomou. Um horror.

15º) Kimi Räikkönen – 4.5 – A classificação de Kimi foi de gente muito grande, mas a corrida se resumiu a ir andando para trás. A Alfa Romeo certamente vai lamentar bastante a corrida turca, já que tinha os dois no Q3 e nem ponto marcou.

Não foi um fim de semana dos mais fáceis para a Williams (Foto: Williams)

16º) George Russell – 4.0 – Teve seus momentos e, em boa parte da corrida, andou ali com o pessoal do meio do pelotão. Mas foi caindo, caindo até sumir. E teve também uma batida ainda antes da prova começar, o que não chega a ser exatamente bom.

17º) Kevin Magnussen – 6.0 – Merecia sorte melhor nessa corrida, viu? O dinamarquês novamente fez uma largada espetacular e foi segurando o pelotão com unhas e dentes, mas viu qualquer chance ir embora em um pit-stop errado. Quase abandonou na saída dos boxes, até voltou para a pista, mas duas voltas atrás.

NC) Romain Grosjean – 2.5 – O rei do entretenimento não foi bem, nem um pouco. Grosjean rodou, bateu, errou, abandonou. Nem tem muito o que dizer.

NC) Nicholas Latifi – 0.5 – O que foi isso, meus amigos? Desempenho tenebroso do canadense, estava caminhando para tomar pelo menos quatro voltas de Hamilton quando a Williams decidiu retirar o carro da pista. Corridas em condições extremas mostram do que um piloto é feito e, bom, Latifi não deu uma resposta nem um pouquinho positiva.

NC) Antonio Giovinazzi – 4.5 – Outro piloto da Alfa Romeo que tinha tudo para ter vivido um grande dia, mas a corrida se tornou uma sequência de problemas que culminaram em abandono. Fica o destaque por ter ido ao Q3.

A largada do GP da Turquia (Foto: Mercedes)

GP da Turquia – 8.5 – A segunda melhor corrida do ano de acordo com o RANKING GP. O GP da Turquia teve seus quês de varzeano, é verdade, com o panorama peculiar que se colocou. Entretanto, deu uma possibilidade ímpar de testar as habilidades de pilotagem de cada um, carros e até resultados à parte. Terminou sendo uma corrida como (quase) nunca mesmo que tenha tido o resultado de sempre.

Melhor GP – GP da Itália – 9.5
Pior GP – GPs da Espanha e Bélgica – 4.0
Média – 6.7

Média do ano após GP da Turquia

1°) Lewis Hamilton – 8.6
2°) Max Verstappen – 7.4
3°) Nico Hülkenberg – 7.3
4°) Pierre Gasly – 7.1
5°) Sergio Pérez – 7.0
6°) Daniel Ricciardo – 6.9
7°) Lando Norris – 6.5
7°) Charles Leclerc – 6.5
7°) Carlos Sainz Jr. – 6.5
10°) Valtteri Bottas – 6.3
11°) Esteban Ocon – 6.2
12°) Daniil Kvyat – 5.8
13°) Lance Stroll – 5.5
13°) Kimi Räikkönen – 5.5
15°) Sebastian Vettel – 5.3
16°) Alexander Albon – 5.2
17°) Romain Grosjean – 5.0
18°) Kevin Magnussen – 4.9
18°) Antonio Giovinazzi – 4.9
19°) George Russell – 4.8
20°) Nicholas Latifi – 4.4

*Com Gabriel Curty e Vitor Fazio

© 1995 - 2020 - GrandePremio.com.br - Todos os direitos Reservados.

Connect