As notas do GP da Itália de 2018

O GP da Itália foi decidido por uma mistura de pilotagem e estratégia, e ninguém foi melhor nisso do que Lewis Hamilton e Mercedes. O britânico recebeu a melhor nota do fim de semana, superando Kimi Räikkönen por pouco. Fernando Alonso foi considerado o pior em Monza

Gabriel Curty, de São Paulo &
Vitor Fazio, de Porto Alegre

O GP da Itália deste fim de semana voltou a trazer atuações bem distintas entre os pilotos. Em uma corrida marcada por uma disputa das mais acirradas entre Mercedes e Ferrari, foi uma combinação de braço com estratégia que definiu quem iria ao alto do pódio.

Nessa combinação de pilotagem com estratégia, não houve quem pudesse superar Lewis Hamilton. O britânico fez uma corrida cerebral e derrotou Kimi Räikkönen. Não por acaso, o britânico leva a nota mais alta do Ranking GP desta semana: um 9.5, próximo da perfeição. Para o finlandês, que teve um de seus melhores fins de semana dos últimos tempos, também foi agraciado com uma bela nota 9.0.

Sebastian Vettel, que jogou fora as chances de vitória ao tocar Hamilton e rodar, foi punido com uma de suas piores notas de 2018. O mesmo vale para Fernando Alonso, que teve um fim de semana digno de esquecimento por incidentes e quebras mecânicas, foi considerado o pior piloto do fim de semana.

As notas do Ranking GP são calculadas através de avaliações de Gabriel Curty, Pedro Henrique Marum e Vitor Fazio, do GRANDE PREMIUM.

Outra vitória para Hamilton
Mercedes
1º) Lewis Hamilton - 9.5 - Fez uma corrida próxima do ideal. A estratégia da Mercedes encaixou como uma luva, mas é claro: não funcionaria sem uma pilotagem das melhores, tanto em termos de agressividade na medida certa quanto em administração dos pneus. Depois da atuação em Monza, começa a ficar claro como Lewis merece o penta.
 
2º) Kimi Räikkönen - 9.0 - Teve a melhor atuação dos últimos anos. Uma pole incrível, uma corrida sólida, ausência total de erros. A vitória só escapou porque a Ferrari caiu no blefe da Mercedes, parando voltas antes do que devia. A conta veio no fim, quando o finlandês começou a se arrastar com pneus desgastados.
 
3º) Valtteri Bottas - 6.0 - Voltou a ter uma atuação fraca. É verdade que o pódio veio, e com uma ajuda importante a Hamilton, mas o finlandês sempre aparentou dever ritmo. Com a mesma Mercedes que Lewis usou para brigar por pole e vitória, Valtteri foi 0s5 pior em volta rápida e depois ficou sem reação às defesas de Verstappen, só indo ao pódio pela punição aplicada ao holandês.
Kimi Räikkönen fez um belo GP da Itália
Ferrari
4º) Sebastian Vettel - 5.0 - Podia ter feito tudo certo, mas fez tudo errado. Tudo começou a dar errado na rara derrota para Räikkönen em volta rápida, que o colocou na mira de Hamilton na largada. Na briga por posição na segunda chicane, o alemão forçou a barra quando não devia. A recuperação até foi boa, mas não apaga o fato de que o alemão voltou a comprometer suas próprias chances de título. Ao contrário de Hamilton.
 
5º) Max Verstappen - 7.0 - Grandes corridas, pequenas recompensas. Verstappen reagiu bem à falta de potência do motor Renault, fazendo frente ao poderio da Mercedes de Bottas. Faltou pouco para conseguir o pódio mais difícil de 2018. O banho de champanhe só não aconteceu por causa do único erro grave do holandês: espremer Valtteri em zona de freada, sendo punido corretamente por isso.
 
6º) Esteban Ocon - 7.0 - Não apareceu muito na transmissão de TV, mas foi por um bom motivo. Ocon já largou bem posicionado na zona de pontos, logo deixando claro que bons pontos viriam. Além de somar 10 pontos em uma tacada só, se beneficiando da desclassificação de Grosjean, o francês teve desempenho superior ao do companheiro Pérez.
 
7º) Sergio Pérez - 6.5 - Decepcionou muito ao ser eliminado no Q1, mas deu a volta por cima do domingo. As ultrapassagens vieram aos montes, incluindo aí um belo 'X' para cima de Vettel. O mexicano consolidou o segundo grande fim de semana consecutivo da nova Force India na F1.
 
8º) Carlos Sainz Jr. - 6.5 - Pontuou com uma Renault em um circuito de alta velocidade, o que está longe de ser ruim. É verdade que o espanhol não foi espetacular, mas ficar no top-10 tanto em voltas rápidas quanto em corrida é fazer o dever de casa. E mais do que vinha fazendo anteriormente.
 
9º) Lance Stroll - 7.5 - Mostrou que a abóbora da Williams também pode ser carruagem. A equipe britânica esteve um pouco melhor na Itália e o canadense colaborou ao potencializar o resultado. Depois de pontuar no caos de Baku, Stroll repetiu a dose em um dia normal, sem precisar de sorte. Destaque também para a vitória sobre Sirotkin, em ascenção.
 
10º) Sergey Sirotkin - 7.0 - Já merecia um pontinho depois de tanto ralar para encontrar desempenho. 'Menos pior' na fase europeia, o russo se colocou em posição de aproveitar a desclassificação de Grosjean. É uma diferença em relação ao visto no começo do ano, quando Sergey não era capaz de aproveitar nada.
Esteban Ocon teve mais uma boa corrida
Force India
11º) Charles Leclerc - 5.5 - Não foi brilhante com um carro que mostrou bom ritmo nos treinos livres. Depois de encaixar corridas em que teve desempenho de estrela, o monegasco agora acumula cinco provas sem pontos. Dessa vez, por exemplo, terminar atrás de Sirotkin não é tão bom assim.
 
12º) Stoffel Vandoorne - 5.0 - Também vive fase ruim, mas em maior intensidade e duração. Depois de cair já no Q1, o belga estava destinado a ficar preso atrás de outros carros com melhor desempenho nas retas. Ninguém teria percebido se estacionasse o carro na beira da pista no meio da corrida para voltar para casa mais cedo.
 
13º) Nico Hülkenberg - 5.5 - Assim como Vandoorne, não chegaria a lugar nenhum com motor Renault no fundo do grid. O alemão até mostrou alguma velocidade, mas só a sorte traria pontos.
 
14º) Pierre Gasly - 6.0 - Foi ao Q3 com o motor Honda, algo digno de nota. Na corrida, uma largada ruim, caindo para 11º, começou a complicar a situação. Depois, um toque evitável em Alonso tratou de danificar o carro e acabar com o sonho de pontuar em circuito de alta velocidade.
 
15º) Marcus Ericsson - 4.5 - Precisou de um pit emergencial na primeira volta, fardo que se mostrou dos mais pesados. Precisando de uma corrida emergencial, o sueco não teve ação suficiente e seguiu preso no fim do pelotão até a bandeira quadriculada.
 
16º) Kevin Magnussen - 4.5 - Tinha potencial para pontuar, mas levou a pior em disputa por posição com Pérez. Os dois se tocaram na primeira curva Lesmo, deixando o dinamarquês com danos severos no assoalho. Foi o suficiente para ficar na lanterninha em Monza.
Stoffel Vandoorne apagado de novo e já demitido para 2019
McLaren
NC - Daniel Ricciardo - 4.5 - Teve um fim de semana infernal, e nem tanto por culpa própria. O australiano até era capaz de fazer boas ultrapassagens após largar em último por troca de motor. O problema na embreagem foi uma decepção para o piloto e para quem queria ver até onde Daniel poderia escalar.
 
NC - Fernando Alonso - 4.0 - Foi cretino ao forçar um incidente com Magnussen no treino classificatório, custando a chance de ir ao Q3. Na corrida, o espanhol começou bem ao segurar um pelotão de pilotos mais rápidos. A quebra de motor na décima volta, todavia, inutilizou o esforço.
 
NC - Brendon Hartley - 4.5 - Difícil pensar em corrida mais triste. Metros após largar, o neozelandês tocou a traseira de Ericsson e quebrou a suspensão. É verdade que Hartley está lento, mas ô fase azarada...
 
DSC - Romain Grosjean - 8.0 - Repetiu o fim de semana de sucesso da Áustria, mas não pôde comemorar. Depois de cruzar a linha de chegada como melhor do pelotão intermediário, superando a ameaça que é a Force India em Monza, o francês descobriu que competia com um assoalho ilegal. É uma pena não pontuar, mas a solidez na Itália mostra que o começo de ano ruim virou coisa do passado.

GP da Itália - 8.0

 
Um alívio após a decepção que foi o GP da Bélgica. Monza, que também sofre com retrospecto de corridas ruins, trouxe ultrapassagens, acidentes e muita estratégia. Tudo na medida certa. Não é corrida para entrar para a história, mas certamente agradou.
 
Melhor GP: 9.5 (Azerbaijão)
 
Pior GP: 3.0 (Canadá, Bélgica)
 
Média: 6.6
 
Nota média dos pilotos após o GP da Itália:
 
1º) Lewis Hamilton - 8.0
2º) Sebastian Vettel - 7.4
3º) Kimi Räikkönen - 6.9
4º) Valtteri Bottas - 6.8
5º) Fernando Alonso - 6.5
6º) Daniel Ricciardo - 6.4
6º) Kevin Magnussen - 6.4
8º) Esteban Ocon - 6.3
9º) Sergio Pérez - 6.2
9º) Nico Hülkenberg - 6.2
9º) Charles Leclerc - 6.2
12º) Pierre Gasly - 6.1
13º) Max Verstappen - 6.0
14º) Romain Grosjean - 5.8
14º) Carlos Sainz Jr. - 5.8
16º) Marcus Ericsson - 5.3
17º) Stoffel Vandoorne - 5.0
18º) Brendon Hartley - 4.5
19º) Lance Stroll - 4.4
20º) Sergey Sirotkin - 4.2