Siga-nos

Ranking GP

As notas do GP de Singapura de 2019

Com redenção de Sebastian Vettel, o GP de Singapura trouxe performance incrivelmente forte da Ferrari. O alemão levou a melhor nota do fim de semana, seguido de perto pelo companheiro Charles Leclerc

O GP de Singapura teve uma inesperada terceira vitória consecutiva da Ferrari, que finalmente deu sinais de evolução com o SF90. Só que isso ficou atrás de uma outra redenção, ainda mais inesperada: a de Sebastian Vettel, que voltou ao alto do pódio após mais de um ano. Sem surpresas, o alemão alcançou a melhor nota no RANKING GP do GP de Singapura.

O alemão superou Charles Leclerc, tanto na análise do GRANDE PREMIUM quanto nas pistas. O monegasco ficou chateado com o resultado final, resmungando da estratégia adotada pela Ferrari, que acabou com o alemão tomando a dianteira durante o ciclo de pits para não mais perder.

Max Verstappen completou o pódio, mas com uma atuação apagada para os padrões da Red Bull em circuitos de baixa velocidade. Lewis Hamilton e Valtteri Bottas, muito por conta do dia abaixo da média da Mercedes, tiveram o mesmo destino.

As notas do RANKING GP são calculadas de acordo com avaliações dos jornalistas Gabriel Curty, Pedro Henrique Marum e Vitor Fazio.

A Ferrari fez dobradinha, mas teve atrito entre seus pilotos

1º) Sebastian Vettel – 9.0 – Sua melhor corrida no ano rendeu uma grande nota. Vettel voltou a pilotar com um verdadeiro campeão, tomando as rédeas da prova na única oportunidade que teve. É verdade que a estratégia foi melhor que a de Leclerc, mas ainda cabia ao alemão faze-la funcionar. Ele conseguiu, pegando até a própria Ferrari de surpresa. Performance madura, mas agressiva quando necessária.

2º) Charles Leclerc – 8.5 – Poderia ser vencedor em Singapura e não seria injustiça alguma. O monegasco fez um bom trabalho ao cumprir o que a Ferrari pediu no começo – segurar o ritmo para fazer o pneu da largada durar o máximo possível. Só que o tiro saiu pela culatra, já que isso permitiu a ultrapassagem de Vettel. Não perde nota por isso, mas mostrou não saber perder ao ir ao pódio fazendo beicinho.

3º) Max Verstappen – 7.5 – Esteve longe de se destacar como em provas anteriores, mas fez o que pôde com uma Red Bull estranhamente apagada. O holandês largou em quarto e deu o bote em Hamilton, com uma estratégia furada. Seria pedir demais um ataque às Ferrari no fim.

Lewis Hamilton chegou a estar na frente de Sebastian Vettel, mas terminou atrás (Lewis Hamilton)

4º) Lewis Hamilton – 7.0 – Não foi protagonista em momento algum, exceto quando adotou uma estratégia que claramente não funcionaria. Caiu de segundo para quarto por bobeira da turma da estratégia da Mercedes, só que também ficou devendo ao não conseguir nem ameaçar direito Max Verstappen, com pneus mais gastos e menos velocidade nas retas.

5º) Valtteri Bottas – 6.0 – Foi tão burocrático quanto possível. Na única chance que teve de sonhar com o pódio, acatou ao pedido estapafúrdio da Mercedes de não acelerar demais, só para que Hamilton voltasse dos boxes na frente. Aquele Bottas do GP da Austrália já está morto e enterrado.

6º) Alexander Albon – 6.0 – Não fez nada muito diferente do que Gasly faria. Largou na rabeira do pelotão dianteiro e lá permaneceu até o fim. É verdade que não cometeu erros, mas ficou faltando um destaque mínimo na noite de Singapura.

7º) Lando Norris – 7.5 – Lavou a alma após uma sequência de GPs com bastante azar. O piloto que terminou a classificação quase chorando em entrevista ao vivo terminou o domingo com a felicidade de quem liderou o pelotão intermediário sem ser sequer questionado.

8º) Pierre Gasly – 8.0 – Teve sua performance do ano. Deu um banho em Kvyat do começo ao fim, mostrou velocidade e fez funcionar a ousada estratégia de seguir na pista o máximo possível com pneus duros. Fez ultrapassagens bonitas e ainda soube se defender de Hülkenberg. Se tivesse mostrado essa garra no primeiro semestre…

9º) Nico Hülkenberg – 7.0 – Fez uma corrida esperta ao capitalizar em cima dos erros alheios, além de reagir ao incidente com Sainz na largada. O alemão perde pontos por ser um tanto reticente na hora de ultrapassar, perdendo tempo tanto com Grosjean quanto Gasly, mas soube jogar o jogo de paciência que foi o GP de Singapura.

10º) Antonio Giovinazzi – 7.0 – Apostou na estratégia kamikaze de ficar na pista até o fim dos tempos com pneus gastos, apostando em um safety-car que só viria depois. O italiano conseguiu liderar a prova, mas perdeu tempo no processo, inclusive sendo vítima de uma forçada de barra de Ricciardo. O ponto é singular, mas é também merecido.

O GP de Singapura rendeu pódio para Max Verstappen, mesmo sem atuação brilhante

11º) Romain Grosjean – 5.5 – Foi vítima de uma classificação ruim, o que significou ficar escondido na primeira metade da prova. Aflorou com a loucura da segunda metade, mas ficou devendo quando o assunto é ritmo – Giovinazzi foi punido em 10s, e nem isso fez Romain entrar na zona de pontos. O acidente com Russell rende memes, mas não chegou a ser um erro crasso assim.

12º) Carlos Sainz Jr. – 6.0 – Bobeou ao não dar espaço para Hülkenberg na largada, o que significou passar quase a prova inteira na rabeira. Teve a chance de ganhar posições com as entradas do safety-car, mostrando determinação em escalar o pelotão. Não fosse a primeira volta, pontuaria facilmente.

13º) Lance Stroll – 6.0 – Não poderia ter um final feliz após furar um pneu nas voltas finais. O canadense esteve quase sempre atrás do companheiro Pérez, mas ainda nas redondezas da zona de pontos. Depois do pit emergencial, ainda conseguiu algumas ultrapassagens, mas nada a ponto de mudar a cotação do dólar.

14º) Daniel Ricciardo – 6.5 – Foi quem mais arriscou na prova, tentando reverter a exclusão do treino classificatório. O australiano mando bem no começo, mas passou um pouco da conta contra Antonio Giovinazzi, quando furou um pneu. Foi a pá de cal na tentativa de pontuar.

15º) Daniil Kvyat – 3.0 – Ficou na parte de trás do grid quase o tempo inteiro, muito por conta de uma classificação ruim. Nunca deu sinais de reação, sendo alvo fácil para quem tentava ultrapassagens. Só voltou a aparecer na transmissão quando levou um tranco de Räikkönen em briga por posição.

Pierre Gasly teve grande atuação no pelotão intermediário (Pierre Gasly (Foto: Red Bull Content Pool))

16º) Robert Kubica – 4.5 – Cumpriu o mesmo roteiro do ano inteiro até aqui: manter o carro inteiro e ver no que dá. Mesmo em uma prova conturbada, o ponto de Hockenheim não chegou nem perto de se repetir, já que os pilotos que se envolveram em toques conseguiram recuperar terreno sem dificuldades.

17º) Kevin Magnussen – 6.0 – Não causou nenhum safety-car, mas foi vítima deles. Tentando carregar pneus desgastados até o fim para pontuar, o dinamarquês não conseguiu sustentar aderência e temperatura, despencando sem dó. O que podia ser um décimo lugar virou um 17º, mesmo que com volta mais rápida.

NC – Kimi Räikkönen – 3.0 – Já tinha sido barbeiro ao bater no muro durante o Q2 e acabou repetindo a dose na corrida. Depois de uma corrida para lá de morna, o finlandês ficou pelo caminho após forçar a barra em defesa de posição contra Kvyat.

NC – Sergio Pérez – 6.5 – Estava fazendo tudo direitinho durante a corrida, mas acabou traído por um problema mecânico. É difícil dizer se o mexicano seria capaz de pontuar em condições normais, já que os pneus estavam gastos como os de Magnusen. Mesmo assim, Pérez parecia ter forçar para tentar.

NC – George Russell – 5.0 – Teve o primeiro abandono da carreira na F1 e soltou os cachorros em Grosjean, apesar de talvez ter exagerado na tentativa de se defender. De resto, o já esperado fato de ter mais ritmo que Kubica.

GP de Singapura – 7.0

Melhor GP: Alemanha (10.0)

Pior GP: França (1.0)

Média: 6.9

Não foi uma corrida imprevisível ao nível de Bélgica e Itália, mas certamente manteve o público empolgado. No fim das contas, teve estratégia, ultrapassagens e acidentes. Só faltou um pouco mais de ação entre os seis primeiros, que focaram somente na cautela.
(Safety-car)

Média da temporada

1º) Max Verstappen – 7.7
2º) Lewis Hamilton – 7.6
3º) Charles Leclerc – 7.0
4º) Carlos Sainz Jr. – 6.7
5º) Alexander Albon – 6.5
6º) Lando Norris – 6.3
6º) Valtteri Bottas – 6.3
6º) Nico Hülkenberg – 6.3
9º) Sebastian Vettel – 6.1
10º) Daniil Kvyat – 6.0
10º) Sergio Pérez – 6.0
12º) Kimi Räikkönen – 5.9
13º) Daniel Ricciardo – 5.8
14º) George Russell – 5.6
15º) Pierre Gasly – 5.5
16º) Lance Stroll – 5.4
17º) Romain Grosjean – 5.0
18º) Antonio Giovinazzi – 4.9
19º) Kevin Magnussen – 4.7
20º) Robert Kubica – 4.4

© 1995 - 2020 - GrandePremio.com.br - Todos os direitos Reservados.

Connect